Pedro Magalhães

Autárquicas: onde estão as maiores incertezas?

Excelente recurso, o dossier das sondagens autárquicas da Marktest. Num post escrito há uns tempos, discuti os resultados das sondagens em alguns dos concelhos que tinham recebido maior atenção: Lisboa, Porto, Braga, Oeiras, Matosinhos, Aveiro, Viseu, Gaia e Sintra. Quais os casos onde há menos e mais sinais de incerteza?

1. Menos incerteza: Lisboa, Aveiro, Viseu, Porto. Em Lisboa, todas as 6 sondagens (conduzidas por 2 empresas) colocam António Costa com 50% ou mais das intenções de voto, ao passo que Seara não ultrapassa os 30% nas 4 sondagens mais recentes. Dito isto, o facto de todos esses estudos recentes serem da mesma empresa e com o mesmo método gera-me curiosidade sobre o que se passará quando houver sondagens com, por exemplo, inquéritos presenciais e simulação de voto em urna. Em Aveiro, Ribau Esteves (PSD/CDS) sempre acima dos 40%, Eduardo Feio (PS) com 30% ou menos. Em Viseu, nenhuma sondagem dá uma vantagem inferior a 10 pontos para Almeida Henriques (PSD). No Porto, não houve sondagens desde o meu último post. Aqui tem havido mais variabilidade ao longo do tempo (sondagens em que Menezes lidera com apenas 7 pontos de vantagem coexistem com outras em que lidera por 20). Destes casos, portanto, o Porto é o que me suscita maior curiosidade.

2. Mais incerteza. Em Oeiras, o site da Marktest continua a reportar apenas duas sondagens, completamente discrepantes. A última, de Agosto (telefónicas em Agosto…) tem Vistas com 3 pontos sobre Moita Flores. Em Braga, a última sondagem é de finais de Agosto e tem Ricardo Rio (PSD/CDS/PPM) com quatro pontos sobre Vítor Sousa (PS). Quase todas as restantes sondagens têm margens igualmente ou ainda mais apertadas. Mas Rio lidera em quase todas, o que também é relevante. Em Matosinhos, Guilherme Pinto liderava em sete das oito sondagens já realizadas. Mas nas mais recentes, grandes discrepâncias: 13 pontos de vantagem numa sondagem do dia 6 de Setembro da Pitagórica contra menos de 2 pontos numa sondagem do dia 24 da Eurosondagem.

Depois, Gaia e Sintra. Em Gaia, a sondagem da Católica divulgada hoje coloca Eduardo Vítor Rodrigues (PS) com 6 pontos sobre Guilherme Aguiar, e Carlos Abreu Amorim (PSD/CDS) fora de jogo. Mas se em relação a este último aspecto as sondagens oferecem poucas dúvidas, a Eurosondagem coloca Rodrigues e Aguiar empatados, com ligeira (e não significativa) vantagem para o segundo. Em Sintra, Basílio Horta lidera em 6 das 7 sondagens divulgadas até ao momento, incluindo a de hoje da Católica. Mas desde Julho que essa vantagem sobre Marco Almeida é apertada e, nalguns casos, nem sequer estatisticamente significativa.

Outros possíveis “cliffhangers” incluem Coimbra (Manuel Machado do PS ou Barbosa de Melo do PSD/PPM/MPT?), Évora (Pinto de Sá da CDU ou Melgão do PS?), Faro (Neves ou Bacalhau?), Guarda (Martins Igreja ou Álvaro Amaro?) e Vila Real (Santos ou Carvalho?).

Finalmente, lembrar o seguinte: historicamente, as sondagens sobre eleições onde concorrem independentes exibem um desvio médio entre intenções de voto e aqueles que depois vêm a ser os resultados reais bastante superior ao que ocorrer nas restantes eleições. Por outras palavras: nas eleições onde correm independentes, as intenções de voto registadas em sondagens têm sido piores predictoras daquilo que acaba por ocorrer no dia das eleições.

  • […] post de ontem, apesar de ter dito que era o caso do Porto que me suscitava maior curiosidade, acabei por […]

  • […] feito por Morais Sarmento há uns tempos). Mas, primeiro as sondagens valem o que valem como muito bem sabem os experts sérios na matéria e segundo não se pode extrapolar mecânicamente os resultados do universo das 28 câmaras onde […]