Pedro Magalhães

Margens de Erro

Rescaldo

Posted February 12th, 2007 at 10:59 am4 Comments

Os resultados provisórios do referendo de ontem são conhecidos:

Portugal:
Sim: 59,25%
Não: 40,75%

Continente:
Sim: 60,3%
Não: 39,7%

Apesar de serem provisórios, escusamos de estar com excessivos preciosismos e podemos partir deles para avaliar como correram as sondagens.

1. Pré-eleitorais: seguindo a sugestão deste leitor, os resultados das sondagens pré-eleitorais devem de facto ser comparados com os resultados no Continente e não com os resultados nacionais, dado que o universo destas sondagens é o conjunto dos eleitores no Continente. Noutras eleições isso costuma fazer pouca diferença, mas neste referendo (tal como em 1998) a inclinação forte dos Açores e da Madeira para o "Não", em contraste com o resto do país, fazem com que, apesar de tudo, haja uma diferença de um ponto percentual em relação aos resultados nacionais.



Olhando para o quadro anterior, é fácil perceber que TNSEuroteste, Intercampus e Católica (por esta ordem) foram quem, a uma semana ou pouco menos das eleições, mais se aproximaram daqueles que vieram a ser os resultados finais. Já a Aximage, apesar de, curiosamente, ter um trabalho de campo mais tardio, ficou um pouco mais longe que os outros três institutos. A Eurosondagem mais longe ainda. Andava, aliás, desalinhada dos restantes institutos desde o início, e assim continuou no fim. Compare-se isto com as presidenciais e os desvios na estimação dos resultados de Cavaco Silva ou com as legislativas e os desvios na estimação dos resultados do PS para percebermos como os referendos trazem, apesar de tudo, mais dificuldades do que outras eleições.

2. Sondagens boca das urnas: aqui, a comparação deve ser com os resultados nacionais. Nuns casos porque, verdadeiramente, os institutos de sondagens conduziram trabalho de campo nas regiões. Nos outros porque, mesmo que não haja trabalho de campo nas ilhas, as ditas "projecções" têm sempre ajustamentos de forma a poderem inferir de alguma forma esses resultados e o seu impacto nos resultados nacionais.



Neste caso, foi a Católica que ficou mais perto, mas as diferenças entre os diversos institutos são reduzidas: as projecções estiveram fundamentalmente correctas.

Em resumo: o cepticismo em relação às sondagens eleitorais que davam uma vantagem confortável ao Sim era exagerado. Isto é uma boa notícia: que se consiga fazer sondagens relativamente precisas em eleições com 56% de abstencionistas significa que há boas práticas na estimação dos votantes prováveis.

by Pedro Magalhães

Alfuência até às 12.00h

Posted February 11th, 2007 at 2:19 pm4 Comments

11.57%. Muito baixa.

by Pedro Magalhães

A chuva, a chuva…

Posted February 11th, 2007 at 1:17 pm4 Comments

by Pedro Magalhães

Correcção

Posted February 10th, 2007 at 3:51 pm4 Comments

Sem querer perturbar a vossa "reflexão", um e-mail de um leitor:

"No quadro do seu post "As sondagens de 1998" há um detalhe que talvez não seja muito rigoroso - é que não se pode comparar os valores das sondagens com os resultados nacionais globais: por norma, as sondagens são só feitas em Portugal continental. Ora, no "continente" o resultado não foi "49,1% - Sim; 50,9% - Não", foi mais algo como "50,3% - Sim; 49,7% - Não", o que quer dizer que as sondagens não falharam tanto como isso (pelo menos acertaram no vencedor, no contexto da população estudada)."

O leitor tem razão.

by Pedro Magalhães

Factores de incerteza

Posted February 9th, 2007 at 12:31 pm4 Comments

E na verdade, são boas as razões para esse sentimento de incerteza:

1. Começa por aqui: sondagens realizadas num curto intervalo de tempo chegam a conclusões bastante diferentes sobre a relação de forças entre intenções de voto "Sim" e "Não". É quase certo que, no momento em que foram feitas, se possa dizer que entre os eleitores as intenções em votar "Sim" eram mais numerosas que as intenções em votar "Não". Mas quanto mais numerosas? E acresce a isto a percentagem considerável daqueles que dizem tencionar votar mas que se encontram indecisos (entre 6 e 17%). Nas legislativas de 2005, por exemplo, não passavam, na pior das hipóteses, de 10%.

2. Continua por aqui: reparem, por exemplo, na notável estabilidade das intenções de voto nas legislativas. Vejam como só nas sondagens da última semana essa estabilidade foi quebrada nas presidenciais. E como tudo tem sido diferente e mais volátil neste referendo. Nada disto é inesperado:

"The dynamics of a referendum campaign can often be harder to anticipate than those of an election, and the breadth of participation of the electorate cannot always be assumed. It follows, therefore, that the outcome of many referendums is not easily predictable, even in some cases where the distribution of public opinion on the issue of the referendum is well known. The short term perceptions of the referendum question on the part of voters, the images that they may hold of the groups and individuals involved, or their reactions to the discourse of the campaign, can be as important to the voting decision as their opinions or beliefs on the fundamental issue itself. While longer term factors such as partisanship or ideology may also be important, the short-term impact of campaign strategies and tactics can often make a substantial difference in determining referendum outcomes. A referendum presents a somewhat different set of choices to the voter than does an election. No political parties or candidate names appear on the ballot. In a referendum, unlike an election, voters must decide among alternatives that are sometimes unfamiliar and perhaps lacking in reliable cues. One might therefore expect a greater degree of volatility and uncertainty in referendum voting behaviour than is typically found in elections."

3. Aumenta quando olhamos para isto. Nenhuma sondagem em 1998 foi feita a tempo de tirar uma fotografia que fosse igual àquilo que, vários dias depois, acabou por suceder. Quem nos diz que a dinâmica de 2007 não é semelhante?

Dito isto, não quero que se saia daqui só com dúvidas absolutas. Há, pelo menos, uma afirmação probabilística que se pode fazer na base dos dados disponíveis: as chances de vitória do "Sim" são maiores hoje do que em 1998. A vantagem do "Sim" parece ser maior a menos tempo da eleição do que era em 1998 a mais tempo (não esquecer que as últimas sondagens de 1998 foram realizadas com maior distância do dia do referendo). É altamente provável que a participação eleitoral seja mais elevada o que, em princípio - "em princípio", noto - deverá favorecer o "Sim". Mas certezas? Impossível.

E agora, chega de sondagens. O que conta é o voto.

P.S.- Desculpem todas as "auto-ligações", mas foi para poupar tempo.

by Pedro Magalhães

As sondagens interpretadas na imprensa

Posted February 9th, 2007 at 12:20 pm4 Comments

As expectativas partilhadas pelos jornalistas sobre o que irão ser os resultados são facilmente inferidas na base do tratamento dado às sondagens na imprensa.

1. Destaque de primeira página no Expresso para os votos válidos no "Sim": 53,1%.

2. Jornal de Notícias: 58% na primeira página, mas em letra pequena. Ênfase na peça à possível desmobilização dos jovens.

3. Público: é quase preciso virar o jornal do avesso para descobrir os 62% e toda a ênfase da peça é na "descida" do Sim e nos factores de incerteza.

Em resumo: independentemente dos resultados das sondagens, a incerteza é grande e ninguém acredita em vantagens confortáveis do "Sim".

by Pedro Magalhães

Interlúdio

Posted February 9th, 2007 at 12:03 pm4 Comments

«A Universidade Católica, que é um instrumento do não, apresentou a espantosa sondagem de 16% de diferença para o sim, pretendendo que as pessoas não votem. Temos que garantir todos os votos, porque em 1998 as sondagens davam a vitória ao sim e depois tal não aconteceu, por um voto se ganha e por um se perde», afirmou Jerónimo de Sousa, num encontro realizado no Ginásio Atlético Clube, na Baixa da Banheira.

by Pedro Magalhães

Dispersão

Posted February 9th, 2007 at 11:40 am4 Comments

É grande. Reparem, de uma forma muito simples, nas sondagens divulgadas na última semana nas legislativas de 2005, nas presidenciais de 2006 e agora:




Em 2005 e 2006, as sondagens davam estimativas muito aproximadas para a votação no PS ou em Cavaco. Hoje, 9 pontos separam as estimativas máxima e mínima para o "Sim".

by Pedro Magalhães

Tendências 2

Posted February 9th, 2007 at 11:14 am4 Comments

Para perceber se há mudanças significativas de curto prazo, corri uma regressão linear simples com a percentagem de votos válidos no "Sim" como variável dependente e variáveis independentes "dummy" (o e 1) medindo se uma sondagem foi realizada por este ou aquele instituto e três variáveis "temporais": "Antes de Janeiro" (sondagens realizadas entre Outubro e Dezembro); "Janeiro"; e "Fevereiro". Eis os resultados:





A interpretação é simples: quando controlamos os efeitos do facto de diferentes sondagens terem sido realizadas por diferentes institutos, a estimativa de votos válidos no "Sim" tem vindo sempre a descer: 65% antes de Janeiro, 61% em Janeiro e 57% em Fevereiro. Esta análise está muito condicionada pelo facto de termos poucos casos (21 sondagens) e do "mix" concreto de institutos que realizaram sondagens em determinados períodos de tempo. Mas é o que se pode (ou o que sei) fazer. Os valores estimados para cada período visam apenas avaliar a existência de tendências estatisticamente significativas. E confirma-se também a Eurosondagem como "outlier", com estimativas significativamente abaixo das dos restantes institutos ao longo do período (o que não significa uma avaliação da precisão de uns ou outros).

by Pedro Magalhães

Tendências 1

Posted February 9th, 2007 at 11:03 am4 Comments

O que nos dizem as últimas sondagens à luz daquilo que já sabíamos sobre a evolução das intenções de voto?

Olhando para os dados em conjunto, continua a ser manifesta uma tendência de "médio prazo" de descida dos votos válidos no "Sim" a partir do início de Janeiro. Mas o declive tornou-se menos acentuado com as últimas sondagens.

by Pedro Magalhães