Pedro Magalhães

Margens de Erro

Popularidade líderes políticos (Portugal)

Posted January 15th, 2007 at 10:57 am4 Comments

A não ser que me tenha escapado alguma coisa, a Marktest não tem feito o seu Barómetro habitual desde Novembro. Ficamos com a Eurosondagem e os resultados divulgados no Expresso no Sábado passado. Os gráficos seguintes mostram a evolução dos saldos de opiniões positivas (% positivas - % negativas) para Sócrates, Cavaco e Marques Mendes na Marktest e na Eurosondagem de Março de 2005 (Sócrates), Abril de 2005 (Mendes) e Março de 2006 (Cavaco) até agora.






by Pedro Magalhães

Sondagens referendo aborto

Posted January 12th, 2007 at 10:14 am4 Comments

Com a da Intercampus, divulgada ontem, e a da Aximage, divulgada hoje, ficamos assim:


(gralha corrigida. Obrigado LA-C)

Esquecendo os resultados das sondagens Aximage e Eurosondagem em Outubro de 2006 (claros outliers em relação aos restantes, incluindo os de outras sondagens conduzidas pelos mesmos centros), é porventura a primeira vez que chega um sinal de que, apesar da vantagem do "Sim" permanecer grande, a relação entre as intenções de voto "Sim" e "Não" está a alterar-se a favor do "Não". Na Aximage, onde é possível fazer a comparação (mesma metodologia em todas as sondagens), os indecisos diminuem em relação ao final de 2006, o "Sim" desce e o "Não" sobe. Não deixa de ser verdade, contudo, que duas sondagens realizadas no mesmo momento mas com metodologias bem distintas - as mais recentes Aximage e Intercampus - dão resultados também diferentes, a segunda mais favorável ao "Sim".

Um aspecto recorrente no tratamento jornalístico dos resultados da sondagem Intercampus é a "contradição" entre os resultados da pergunta do referendo e os de outras perguntas. Há quem fique muito perturbado com o assunto e pressinta graves malfeitorias por detrás deste tipo de coisas. Importa não esquecer, contudo, o seguinte:

- esta "contradição" não é nova. Em duas sondagens anteriores da Católica, apesar de expressivas maiorias se pronunciarem pelo "Sim" ao referendo, as mesmas pessoas mostravam-se mais cépticas quando as questões sobre o aborto eram colocadas de outra forma, ou seja, perguntando-lhes se acham que "o aborto deveria ser legal" em determinadas circunstâncias. Esta sondagem da Intercampus usa questões muito semelhantes (trocando, parece-me, o "legal" pelo "autorizado") e dá resultados onde, mais uma vez, o apoio manifestado desta forma é bastante menor do que o verificado na pergunta tal como será colocada no referendo;

- se uma "contradição" destas se repete sistematicamente, então a "contradição" só deverá estar na nossa cabeça. E assim me parece ser: o estímulo dado pela pergunta do referendo - "despenalização", "10 semanas", "estabelecimento de saúde legalmente autorizado" - é muito diferente do estímulo dado quando se pergunta genericamente se o aborto deve ser "legal" ou "autorizado" nesta ou naquela circunstância. Logo, a resposta terá de ser diferente, e tudo isto só chama a atenção para a complexidade do tema "aborto" e a ambivalência de sentimentos e atitudes que gera entre os cidadãos.

Não me canso de chamar a atenção para as consequências do "enquadramento" do tema para a resposta dos eleitores. Já escrevi sobre o tema aqui.

by Pedro Magalhães

Sondagem aborto Intercampus

Posted January 11th, 2007 at 11:36 pm4 Comments

Nova sondagem sobre intenção de voto no referendo de despenalização do aborto, aqui, a primeira até ao momento com simulação de voto em urna.

Sim: 67%
Não 33%

Amanhã o Público deverá trazer mais detalhes e actualizarei o quadro habitual. Mas é fácil constatar, desde já, a consistência com a maioria das sondagens mais recentes, pelo menos no que respeita à distribuição daqueles que indicam uma intenção de voto.

by Pedro Magalhães

Campanhas

Posted January 10th, 2007 at 5:11 pm4 Comments

Só para chamar a atenção da argúcia dos movimentos que apoiam o "Não" quando introduzem a questão de "quem paga" neste complicado pacote de temas e dimensões que se formou em torno do referendo do dia 11. Ao fazerem-no, criam uma "no-win situation" para os lados do "Sim": se for o Estado, então "não com os meus impostos"; se for privado, então são "as clínicas espanholas que vêm enriquecer à custa dos abortos". Uma vez mais, vê-se como, em situações como estas, o enquadramento que é dado aos temas é absolutamente central, afectando a opinião pública directa ou, mesmo, indirectamente (levando os oponentes a cometerem erros e a dizerem o que não devem).

Dito isto, também não acho que a "campanha" do "Sim" seja assim tão má como se diz. Pelo menos, parece ter percebido que teria de enfatizar um determinado enquadramento da questão que tinha sido secundarizado em 1998: a do referendo como mera oportunidade para "despenalização". Para o bem ou para o mal, a ideia de "livre escolha das mulheres" (a "barriga é minha") ou as preocupações de saúde pública parecem comover pouca gente, mas o mesmo não sucede com a ideia de colocar mulheres na cadeia por fazerem um aborto. Isto é certo e sabido dos dados de opinião, e só se estranha que tenha demorado tanto tempo a perceber.

O problema do "Sim" talvez seja outro: não parece haver "uma campanha do Sim", mas sim "campanhas", pouco concertadas entre si, deixando uma vez mais aos partidos de esquerda, tal como em 98, a quase totalidade do trabalho e, especialmente, da coordenação, coisa que, precisamente, são incapazes de fazer. Em 98, a coisa terá sido tão difícil que, em vez de coordenação dos partidos existentes, se deu origem a um partido novo (o BE, claro).

Contudo, a principal diferença de 2007 reside nas posições do PS e do PSD, na prática simétricas em relação ao que se passou em 98. Não é diferença pequena. É provavelmente ela que explica a enorme vantagem do Sim em relação ao Não nas sondagens e o facto dessa diferença ter vindo a resistir ao longo do tempo. A posição do PS ligou o"Sim" a uma predisposição de longo-prazo dos eleitores (a identificação partidária), ligação essa que tinha sido diluída em 98. E a não posição do PSD facilita, por parte dos eleitores, a identificação do "Não" como uma posição exclusiva da "Direita", coisa que costuma ser fatal por estas bandas.

Mas isto não diminui a argúcia de quem vem conduzindo a campanha do "Não". E daqui até 11 de Fevereiro ainda corre muita água.

by Pedro Magalhães

Obrigado

Posted January 10th, 2007 at 5:03 pm4 Comments

Ao Insurgente e ao Kontratempos, dois dos poucos blogues que tenho tempo para pôr aqui, especialmente ao segundo por me fazer ver, mesmo que involuntariamente, que o título que tenho dado aos posts que fogem ao tema do blogue ("off topic") deveria ter sido desde o início, claro, "outlier". Burro.

by Pedro Magalhães

Ségo-Sarko 2

Posted January 10th, 2007 at 1:57 pm4 Comments

Nova sondagem CSA:

by Pedro Magalhães

Presidenciais 2008

Posted January 10th, 2007 at 1:36 pm4 Comments

A não perder, os vários posts do Political Arithmetik sobre as opiniões dos americanos sobre os possíveis candidatos para 2008 e a informação do The Fix sobre o que se vai passando nas "máquinas" das diferentes candidaturas. Os Democratas com o dilema habitual: os únicos candidatos viáveis com apoio junto das bases são os que geram opiniões mais polarizadas entre a população. Os Republicanos com um dilema simétrico: os candidatos com maiores chances a nível nacional - McCain e Giuliani - são os que geram mais urticária actual (McCain) e potencial (Giuliani) junto das bases mais conservadoras do partido.

by Pedro Magalhães

Off topic: a guerra da imaginação

Posted January 10th, 2007 at 11:03 am4 Comments

O que fazer quando todos os factos contrariam as nossas teorias? Capitular? Nunca. A solução é torná-las invulneráveis aos factos. Fazer com que sejam "infalsificáveis", formulando-as de tal modo que se tornem insusceptíveis de serem refutadas (ou confirmadas) pelos dados da realidade.

Rui Ramos, discutindo a invasão do Iraque, fornece-nos hoje no Público uma amostra deste tipo de estratégia argumentativa: "Um presidente Gore, acolitado por Lieberman (tão "falcão" como Cheney) teria feito o mesmo [que a administração Bush]". E eis-nos assim transportados para um mundo alternativo, visitável apenas com as asas da imaginação, invulnerável a qualquer confronto com o mundo real.

Contudo, essa invulnerabilidade é só aparente. Apesar de nunca podermos vir a observar se uma presidência Gore agiria da mesma forma que uma presidência Bush, sabemos qual é premissa na base da qual Rui Ramos chega a essa conclusão: a de que "os EUA tinham esgotado o saco de truques para contar Saddam", ou seja, a de que a invasão era inevitável. Rui Ramos vende-nos isto como um axioma (o "óbvio", suponho, quanto há uma semana nada o era). Mas era precisamente isto que merecia demonstração empírica, em vez de ser apresentado como uma "verdade auto-evidente". E não é, claro, como qualquer ser humano que tenha lido algum relato sobre o processo de inspecções ou sobre o processo de tomada de decisão no interior da administração Bush (mesmo as que não descrevem a invasão com antipatia) facilmente poderia constatar. E é aqui que um artigo erudito e elegante, como sempre, revela aquilo que o torna absolutamente inútil: o seu total - e aparentemente consentido ou mesmo deliberado - divórcio da realidade.

Inútil e, num certo sentido, nocivo: afinal, como se pode ler num artigo de Mark Danner publicado na penúltima NYRB e que dá o título a este post, foi este divórcio da realidade, antes, durante e depois da invasão, que produziu o desastre que já ninguém consegue evitar reconhecer.

by Pedro Magalhães

Jogo perigoso

Posted January 9th, 2007 at 2:44 pm4 Comments

É inevitável que o PP, em Espanha, critique o PSOE pela sua postura em relação à ETA, especialmente as hesitações entre "suspender" e "pôr fim" ao processo negocial, procurando assim, naturalmente, recolher benefícios políticos. Mas o jogo tem de ser jogado com muita cautela:

Metrocopia/ABC, 3 Jan. 2007, N=605, Telefónica

Devem o PSOE e o PP trabalhar em conjunto para alcançar a paz no País Basco?
Sim: 90%
No: 10%

Como avalia o desempenho de José Luis Rodríguez Zapatero e de Mariano Rajoy depois do ataque da ETA?

Zapatero:
Bom:22%
Médio: 38%
Mau: 30%

Rajoy:
Bom:13%
Médio: 32%
Mau: 42%

by Pedro Magalhães

Ano III

Posted January 8th, 2007 at 11:23 am4 Comments

Começa aqui.

by Pedro Magalhães