Pedro Magalhães

Margens de Erro

Aqui vamos nós

Posted May 6th, 2011 at 12:07 pm4 Comments

Aí vem o chato, ou seja, eu. Não sei, na base disto, quantas pessoas dizem na sondagem da Eurosondagem que não tencionam votar. Mas vamos presumir - é uma possibilidade - que havia uma pergunta-filtro que deixava fora da amostra os que não tencionavam votar e que todas as percentagens relevantes se calculam em relação ao total de 2048. Então temos que 21% (430 pessoas) dizem que não sabem ou não respondem à questão de intenção de voto. Sobram 1618. É esta a amostra na base da qual as percentagens de intenções de voto válidas são calculadas. Na Católica, a amostra relevante é de 1033 pessoas.

E agora a pergunta: tendo em conta a dimensão das amostras, as diferenças entre os diferentes resultados obtidos pelas duas sondagens é estatisticamente significativa? A resposta é NÃO.

Margens de erro das diferenças entre proporções para as duas amostras independentes CESOP e Eurosondagem:
PSD: 3,7
PS: 3,7
CDS-PP: 2,4
CDU: 2,2
BE: 1,8

Em todos os casos, estas margens de erro são superior à diferenças entre as duas sondagens para os cinco partidos.

Já agora: o que passa em relação à vantagem PS sobre PSD ou PSD sobre PS? É simples: as margens de erros das diferenças, nos dois casos, são também superiores às diferenças detectadas na amostra (2 pontos a favor do PS na Católica, 3,3 pontos a favor do PSD na Eurosondagem).

Tudo o que está antes aplica-se também à Aximage, especialmente tendo em conta que estamos a falar de uma amostra bem menor. Em resumo: as três sondagens de hoje são compatíveis com a ideia de que estão a captar uma mesma realidade. Eu sei que o que interessa é o "quem vai à frente na sondagem" e etc. Mas as coisas são o que são.


Já agora, vantagens significativas:

1. PSD sobre CDS-PP, naturalmente, em todas.
2. CDS-PP sobre CDU, na Eurosondagem.
3. CDU sobre BE, na Católica.


Tudo isto explicado aqui.

by Pedro Magalhães

Gráfico actualizado

Posted May 6th, 2011 at 11:13 am4 Comments

by Pedro Magalhães

Óbvio, mas importante

Posted May 6th, 2011 at 10:54 am4 Comments

As três sondagens divulgadas hoje têm por base trabalho de campo que terminou antes da divulgação do pacote CE/BCE/FMI. Não esquecer.

by Pedro Magalhães

Três sondagens três

Posted May 6th, 2011 at 10:49 am4 Comments

1. Aximage, 29 Abril - 2 Maio, N=600, Tel.

Antes de distribuir indecisos:
PSD: 31,5%
PS: 28,3%
CDS-PP: 11,2%
CDU: 9,3%
BE: 7,7%
OBN: 4,9%
Indecisos: 7,1%

Resultados comparáveis com resultados eleitorais (e comparação com resultado anterior da Aximage):
PSD: 33,9% (-2,9)
PS: 30,5% (+0,4)
CDS-PP: 12,1% (+0,7)
CDU: 10,0% (+1,0)
BE: 8,3% (+1,4)
OBN: 5,3% (-0,5)

2. CESOP/Católica, 30 Abril - 1 Maio, N=1370, Presencial
PS: 36% (+3)
PSD: 34% (-5)
CDS-PP: 10% (+3)
CDU: 9% (+1)
BE: 5% (-1)
OBN: 6% (-1)

3. Eurosondagem, 28 Abril - 3 Maio, N=2048, Presencial
PSD: 35,8% (-0,6)
PS: 32,5% (-0,2)
CDS-PP: 11,1% (-0,2)
CDU: 7,7% (-0,1)
BE: 6,6% (-0,3)
OBN: 6,3% (+1,3)

by Pedro Magalhães

Pool

Posted May 5th, 2011 at 11:47 pm4 Comments

Está aqui um ficheiro com todas as apostas registadas (são 101, incluindo a minha). Verifiquem, para o caso de haver lapsos. Não considerei apostas que somassem mais de 100% ou que apostassem em menos de 5 partidos. Arrendondei tudo a números inteiros.

Média e desvio-padrão:
PSD: 34,1 (2,6)
PS: 32,2 (2,8)
CDS-PP: 11,9 (2,1)
CDU: 8,4 (1,0)
BE: 7,1 (1,3)

Estava curioso para saber se haveria diferenças significativas entre estimativas antes e depois do anúncio do pacote EU/FMI na 3ª feira.  A resposta é não, a não ser num caso: o PSD. Pré-pacote: 34,5. Pós-pacote: 33,4. A diferença é estatisticamente significativa com p<0,07. Restantes médias pré- e pós-pacote:

PS: 32,1 / 32,4
CDS-PP: 11,7 /12,2
CDU: 8,3 / 8,6
BE: 7,0 / 7,3

by Pedro Magalhães

Um livro

Posted May 5th, 2011 at 11:05 am4 Comments























Não é o livro que ando a querer escrever há uns anos sobre sondagens, eleições e opinião pública. Esse seria um livro mais técnico, destinado a uma audiência especializada. Mas ainda não tive tempo para esse. Tenho-o antes "escrito" a pouco e pouco, em fragmentos, com a ajuda de outras pessoas, em artigos com este, este ou este. Um dia aparecerá.

Este, pelo contrário, é um livro breve (100 páginas), pouco técnico (na medida do possível) e destinado a uma audiência interessada mas não especializada. Discute coisas como o conceito de erro amostral, as outras fontes de erro em sondagens, as implicações de se colocarem perguntas desta ou daquela forma, e os usos das sondagens e dos seus resultados. E fá-lo recorrendo a exemplos simples e concretos, retirados de sondagens feitas em Portugal e, noutros casos, nos Estados Unidos. Assim, em certo sentido, o livro é uma extensão deste blogue, nos temas e até no estilo. Esteve, de resto, para se chamar Margens de Erro, e só não se chama assim porque, obviamente, a maior parte das pessoas não teria a mínima ideia do que isso quereria dizer.

Há dois tipos de atitude que encontramos frequentemente em relação às sondagens em Portugal. A primeira é a aceitação crítica dos números como se eles reflectissem uma qualquer "verdade" absoluta e inalterável. Mas basta perceber o que é uma sondagem, olhar para os detalhes sobre como são feitas e as limitações que eles implicam e ter alguma noção do que significa "opinião pública" para perceber como essa aceitação acrítica é deslocada. A segunda é a rejeição total das sondagens, frequentemente acompanhada de acusações muito graves mas nunca fundamentadas de adulteração e manipulação dos resultados. Mas basta olhar para a forma como essas acusações são feitas e olhar para os resultados das sondagens com mínima sofisticação para perceber que o objectivo dessas acusações é, aí sim, manipular e condicionar os eleitores na sua leitura dos dados disponíveis, por muito frágeis e precários que esses dados possam ser. Uma e outra atitudes, um e outro tipos de discurso, são muito nocivos para a qualidade do debate público sobre as sondagens, mas só acabam por ser eficazes se contarem com o desconhecimento dos cidadãos. Logo, a motivação básica para escrever o livro foi simples, e é a mesma que me leva a manter este blogue: contribuir, modestamente, para diminuir esse desconhecimento e, logo, contrariar esse tipo de atitudes e discursos.

O livro vai ser lançado no próximo dia 18, 4ª feira, às 17h,  no Instituto de Ciências Sociais (a final da Liga Europa é só às 19.30h :-)). Estão todos convidados. Dia 19 estará nas livrarias e no dia 26 de Maio será vendido com a revista Visão, à qual desde já agradeço. E aproveito também para repetir um outro agradecimento que já faço no livro: a todos aqueles que têm comentado, directamente ou por e-mail, as coisas que foram sendo escritas neste blogue. Aprendi muito com esses comentários, críticos ou não.

P.S. - Sei que é difícil, mas procurem resistir à tentação de fazer comentários sobre a cor da capa.

by Pedro Magalhães

Sobre as eleições de 5 de Junho, em inglês

Posted May 5th, 2011 at 12:42 am4 Comments

A minha interpretação dos acontecimentos - so far - no The Monkey Cage.

by Pedro Magalhães

Ainda mais pool

Posted May 4th, 2011 at 6:24 pm4 Comments

É interessante como à medida que aumentam as apostas os valores médios praticamente não mexem. Neste momento estamos com 71 apostas e com os seguintes resultados (média e desvio-padrão):

PSD: 34,3 (2,5)
PS: 32,2 (2,7)
CDS-PP: 11,8 (2,2)
CDU: 8,3 (1,0)
BE:7,0 (1,3)

Depois de dia 5 vamos tentar olhar para isto de uma maneira ligeiramente mais sofisticada. E estou para ver se as que forem enviadas depois do pacote são significativamente diferentes...

by Pedro Magalhães

O referendo no Reino Unido

Posted May 3rd, 2011 at 9:26 am4 Comments

Na próxima 5ª feira, os britânicos vão votar num referendo sobre a adopção do chamado "voto alternativo", em substituição do sistema maioritário uninominal agora existente. A pergunta:

"At present, the UK uses the 'first past the post' system to elect MPs to the House of Commons. Should the 'alternative vote' system be used instead?"

O "voto alternativo" é um sistema através do qual os eleitores, em vez de escolherem apenas um candidato no seu voto, podem exprimir uma ordenação de preferências. Isto está longe da representação proporcional que os Liberais Democratas tinham prometido, mas foi o compromisso possível. O contexto do referendo está muito bem explicado nesta entrada na Wikipedia, incluindo as posições dos diferentes partidos. Ver também este artigo.

O que dizem as sondagens? Basicamente, que o Não deverá ganhar, especialmente as sondagens conduzidas desde meados de Abril. Mas é interessante a inconsistência entre as diferentes estimativas, porventura resultado do facto de o referendo ir ser caracterizado por uma enorme abstenção.

by Pedro Magalhães

Mais pool

Posted May 1st, 2011 at 4:59 pm4 Comments

Enquanto não há mais sondagens, resta-me este entretenimento. Alguns problemas:

1. Casas decimais: será feito arredondamento.
2. Apostas incompletas: não serão consideradas.
3. Apostas que somam mais de 100%: não serão consideradas.
4. Apostas que somam 100% sem OBN: não estão a perceber a coisa.

Aqueles que estão nas condições anteriores podem rever aposta. Digam se assim quiserem. Seja como for, dia 5 torno acessível uma folha de Excel com todas as apostas para que possam confirmar se as registei correctamente.

Resultados até ao momento com 47 apostas, média (e desvio-padrão):

PSD: 34,4 (2,3)
PS: 32,2 (2,8)
CDS-PP: 11,5 (2,0)
CDU: 8,4 (0,9)
BE: 7,1 (1,3)

Em relação ao post anterior, o número de submissões quase duplicou, mas quase nada mudou em relação às médias.

by Pedro Magalhães