Pedro Magalhães

Margens de Erro

Incerteza 4: simpatias partidárias.

Posted March 24th, 2011 at 1:43 pm4 Comments

Outra predisposição relevante é a identificação com um partido. Identificar-me com um partido significa sentir-me próximo dele em comparação com outros, ter por ele uma simpatia especial, uma tradição de proximidade e empatia. Em Portugal, há pouco disto. Mas há algo. E a esmagadora maioria da pessoas que a têm acabam por votar nesse partido. Pode acontecer muita coisa. Mas se o nosso partido nos der uma boa versão dos acontecimentos e se nos activar contras as versões dos outros, a coisa, no fim, acaba por se reconduzir ao nosso "estado normal": essa simpatia. Em Portugal, como é?
















Isto já era sim em 2005, tal e qual. Pode ter mudado desde 2009? Pode. Mas o facto de não ter mudado de 2005 para 2009 sugere que, claro, também pode não ter mudado desde então. E se não mudou, o PSD parte para a eleição, deste ponto de vista, com uma segunda desvantagem estrutural (para além da explicada no post anterior).

by Pedro Magalhães

Incerteza 3: ideologia

Posted March 24th, 2011 at 1:27 pm4 Comments

As campanhas, as pessoas, os eventos e as campanhas contam. Mas os eleitores não partem "virgens" para as campanhas. Têm predisposições, à luz das quais avaliam tudo o resto . Uma dessas predisposições pode aferir-se à luz do seu posicionamento ideológico. E aqui as coisas complicam-se para o PSD.

Este gráfico mostra onde o eleitor mediano se posiciona numa escala de 0 a 10 (em que 0 significa a posição mais à esquerda e 10 mais à direita) e onde o eleitorado português posiciona os partidos (os dados são dos inquéritos pós-eleitorais do projecto Comportamento Eleitoral dos Portugueses):


















O PS é o partido do eleitor mediano. PSD é visto como estando longe do centro, e cada vez mais próximo do CDS. Isto é para todos os eleitores. O gráfico seguinte mostra os mesmos dados, desta vez apenas para os eleitores que se descrevem como estando no "centro" (pontos 4, 5 e 6):
















Apenas o PS é visto como estando dentro do campo ideológico dos eleitores centristas. PSD à direita, indistinguível do CDS. Boas notícias para o CDS, porventura. Menos boas para o PSD.

Se calcularmos a distância média entre a posição de cada eleitor e a posição que atribui a cada partido, o que vemos?
























Distância aumenta desde 2002 para PSD e PS, diminui para pequenos partidos, o que ajuda a explicar as últimas tendências eleitorais. Mas, em média, os eleitores colocam o PSD mais longe das suas posições ideológicas do que o PS.

"Ideologia" é uma coisa complicada que uma posição sumária numa escala de 0 a 10 pode captar mal. Um passo na direcção da especificação da coisa consiste em pedir opiniões sobre temas concretos:















Esquerda, esquerda, esquerda e, na maior parte dos casos, cada vez mais esquerda (se bem que algumas mudanças careçam de significância estatística). Eu sou daqueles que acham que as respostas às sondagens, assim como as respostas às propostas políticas concretas, dependem muito do enquadramento que lhes seja dado. Por outras palavras, eu acho que isto não é um retrato único, perfeito ou inamovível da realidade. Mas que é um retrato mau para um partido de centro-direita, lá isso é.

by Pedro Magalhães

Incerteza 2: a avaliação do governo.

Posted March 24th, 2011 at 1:03 pm4 Comments

Sabe-se que os eleitores são retrospectivos e castigam e recompensam os governos em eleições. Logo, a avaliação que fazem do governo há-de contar para qualquer coisa. E nesse capítulo, as notícias para o PS são péssimas:

1. Católica, Outubro de 2010: 80% (oitenta) consideravam o desempenho do governo "mau" ou "muito mau" (41% "muito mau").
2. Aximage, Marco de 2011: 50% consideravam a actuação do governo pior do que aquilo que esperavam.
3. Eurosondagem, Fevereiro de 2011: 44% de opiniões negativas sobre actuação do governo, contra 19% de opiniões positivas.

Dito isto, atenção ao seguinte:
1. Novamente, estamos a falar da totalidade da amostra, e não de presumíveis votantes.
2. Católica em Outubro: apenas 25% dos inquiridos dizem achar que um partido da oposição faria melhor se estivesse a governar.

E outra coisa interessante dessa sondagem da Católica: questionados sobre as medidas propostas no Orçamento de Estado na altura, aquela que, de longe, mais pessoas diziam que as iria afectar directamente e às suas famílias (79%) e que seria mais difícil para os afectados (76%) era...o aumento do IVA. Para compararmos, 32% diziam que um possível congelamento de pensões os iria afectar e 36% a seleccionavam como sendo uma das mais difíceis para os afectados. O que, em conjugação com as notícias de hoje e recordando também o episódio da revisão constitucional, confirma que o PSD se pode descrever, do ponto de vista estrito do pragmatismo eleitoral, como uma agremiação de suicidas. Isto não implica, note-se, e muito sinceramente, qualquer juízo da minha parte sobre a justeza ou necessidade da medida.

Finalmente, regresso ao início: o "castigo" e a "recompensa" decorrem, evidentemente, de uma avaliação de responsabilidades. Já se percebeu que todo o discurso político do PS vai estar orientado para fornecer considerações aos eleitores que os levem a valorizar a "responsabilidade" (ou "culpa", "imaturidade", "irresponsabilidade") do PSD pela "perda de face" causada pelo pedido de ajuda financeira à Europa e ao FMI e pelas medidas alegadamente mais gravosas que terão de resultar desse pedido de ajuda. Previsivelmente, o PSD tentará colocar a "culpa" da situação do país em toda a actuação do governo até ao momento, e há sinais claros de um outro elemento desse discurso: afinal, a situação do país é ainda mais grave do que o Governo dizia. E a esquerda colocará a culpa de tudo isto nas medidas já aplicadas pelo governo, com a colaboração anterior do PSD, e nas regras impostas do exterior. Este vai ser o combate retórico mais importante desta campanha, e não faço a mínima ideia sobre qual será o seu desfecho.

by Pedro Magalhães

Incerteza 1: a popularidade dos líderes.

Posted March 24th, 2011 at 12:33 pm4 Comments

Incrivelmente, a apresentação do PEC 4, o debate que se seguiu e o desfecho de ontem ocorreram sem que tivesse sido, que eu saiba, conduzida uma única sondagem sobre o tema para divulgação pública. Pelos vistos, as empresas e os órgãos de comunicação social andaram entretidos, respectivamente, a fazer e encomendar sondagens sobre o Sporting. São opções. Isto significa, contudo, que a reacção da opinião pública ao que se passou é impossível de aferir neste momento. Talvez aqui a dias saibamos qualquer coisa.

Mas por outro lado, talvez não seja mau de todo. Sem informação de curtíssimo prazo, podemos concentrar as atenções em factores de menos curto ou até longo prazo que nos permitam, se não antever o que se vai passar, pelos menos ter uma ideia dos possíveis cenários. Dos factores conhecidos, o de mais "curto-prazo" é a popularidade dos líderes.

Aqui, as notícias são más para o PS. Na última sondagem da Marktest, 70% dos inquiridos tinham opinião negativa sobre José Sócrates, contra 18% de opiniões positivas. Na Aximage, Sócrates tem uma avaliação média de 6,8 em 20 pontos possíveis. Na Eurosondagem, onde os números lhe são menos desfavoráveis, o saldo entre opiniões positivas e negativas é de menos de 5 pontos. Na última sondagem da Católica - de Outubro, há tanto tempo! - a avaliação média do PM era de 6,5 pontos em 20 e apenas 35% dos inquiridos lhe davam uma nota de 10 ou mais.

Dito isto, a verdade é que nenhum dos líderes político-partidários é particularmente bem visto. Na Marktest, Pedro Passos Coelho aparece com tantas opiniões positivas como negativas e uns perturbantes 29% que "não sabem". Na Eurosondagem, o saldo para Passos Coelho é praticamente igual ao de Sócrates. É na Aximage e na Católica que o líder do PSD aparece mais bem avaliado comparativamente a Sócrates. Mas na Católica essa avaliação média é ainda negativa (9,2 de 0 a 20) enquanto que na Aximage, apesar de ser positiva (10,6 de 0 a 20) está bem abaixo dos valores de há um ano atrás.

Acresce a isto que estes valores são obtidos de "amostras totais", e não necessariamente dos presumiveis votantes. Muita desta negatividade pode estar concentrada em eleitores que não tencionam votar. A avaliação dos líderes conta muito, sabemos, nas escolhas eleitorais. Mas é também a mais volátil das variáveis explicativas do voto, num certo sentido demasiado próxima do próprio voto. É preciso olhar para outras coisas.

by Pedro Magalhães

Um cenário

Posted March 23rd, 2011 at 1:22 pm4 Comments


by Pedro Magalhães

Baden-Württemberg

Posted March 21st, 2011 at 3:26 pm4 Comments




















O estado em que estou agora, Baden-Württemberg, tem eleições para a semana, dia 27. Actualmente, o governo é uma coligação entre a CDU e o FDP. A CDU governa há décadas. Mas as coisas estão complicadas.

Primeiro foi o assunto Stuttgart 21, um mega-projecto de construção e urbanização que gerou enorme contestação. Verdes e Linke estão contra. E agora é o tema "nuclear". Stefan Mappus, o Ministro-Presidente, tem sido um dos mais vigorosos defensores da extensão da vida das centrais, coisa que lhe encaixa muito mal agora. Merkel bem tentou limitar os danos, mas pode ser tarde. Nas últimas sondagens, os Verdes ultrapassaram o SPD e aparecem agora em 2º lugar nas intenções de voto. Podemos ter, pela primeira vez, os Verdes à frente de um governo estadual. E para a CDU, perder um bastião de mais de 50 anos seria a pior notícia dos últimos meses. Não necessariamente o fim, mas uma péssima notícia.

by Pedro Magalhães

Para os jornalistas do Público

Posted March 21st, 2011 at 8:11 am4 Comments


O Margens de Erro é um exclusivo dos Assinantes Margens de Erro



Caros jornalistas do Público: a partir de hoje leiam o Margens de Erro em formato de e-blogue, uma mudança absolutamente revolucionária na comunicação digital. O sistema de assinaturas foi ligeiramente, vamos chamar-lhe assim, "modificado". Assinem o Margens de Erro Digital a partir de 2,30 € e acedam a todos os conteúdos exclusivos que tenho para vocês. Por 2,30€ por semana podem ler o blogue a qualquer hora do dia e pesquisar posts antigos. Mas por 5,74€ por semana, para além do que está acima, até me podem telefonar a perguntar se eu acho que o estado do tempo previsto para esta semana tem alguma relação com a probabilidade de demissão do governo, que eu até faço de conta que a pergunta tem resposta e digo-vos tanta coisa que o artigo fica logo escrito. Nem precisam ligar a seguir para o José Adelino Maltez e podem dizer na mesma que falaram com "politólogos" porque eu falo em nome de "Pedro Magalhães" e de "Pedro Coutinho" (e se quiserem controvérsia até digo coisas contraditórias). Como vêem, 5,74€ é pouco dinheiro mas rende bastante.

Caso decidam não assinar, peço-vos que não olhem para os gráficos, não leiam análises de resultados de sondagens e não me sigam a timeline no Twitter. E ainda que retirem do lado direito da página do Público a frase "O seu Jornal do dia é lhe oferecido por:" e por baixo a publicidade do Barclaycard. Ou que escrevam "é-lhe" em vez de "é lhe". Ou "vendido" em vez de "oferecido". Enfim, o que acharem melhor.

Deste vosso admirador e ainda leitor,
Pedro Magalhães

P.S.- Para uma reacção realmente com graça à nova paywall do NYT, ver aqui.

by Pedro Magalhães

Por que a razão a política não é atraente (ou não é atraente para as pessoas certas)?

Posted March 20th, 2011 at 8:01 pm4 Comments

É das perguntas que mais me fazem. Mas quem responde, e bem, é Medeiros Ferreira:

"As pessoas com mais qualidade afastaram-se da vida política?

O poder político perdeu poder. Com a entrada de Portugal no sistema monetário europeu e a privatização da banca passou-se da república dos empresários para a república dos financeiros, que tem várias expressões, mas enfraqueceu o poder político, que é visto muitas vezes como uma espécie de epifenómeno dos grandes grupos financeiros ou muito dependente dos grandes negócios.

E é dependente dos grandes grupos financeiros?

Portugal é um país onde não há crescimento económico, mas onde há grandes negócios, e isso enfraqueceu o poder político. O resultado é que muita gente deixou de ir para a política. Se o poder político é uma espécie de epifenómeno, as pessoas afastam-se, porque não se querem sujeitar a estar ao serviço de outras coisas que não sejam as suas próprias convicções. Por outro lado, a actividade política - e vou dizer uma coisa muito impopular - não tem boas condições materiais de atracção.

Os políticos ganham mal?

Não há condições de poder, porque está enfraquecido, e não há condições materiais de atracção para pessoas que estejam disponíveis para ser úteis e não ficar numa situação de dependência. Por outro lado, há o próprio funcionamento interior dos partidos, que vai gerando uma espécie de terceira geração de dirigentes, que já andam nisto há 30 anos e têm uma noção burocrática do modo de fazer política.



Os partidos políticos não estão também muito fechados, sem capacidade para reflectir sobre os novos problemas? O PS tem as Novas Fronteiras...
Isso não existe. É só para aparecer na televisão, mas não é só o PS. O PSD é a mesma coisa. E não foi só o PS que deixou de pensar o país. Eu quase me comovo quando vejo um grupo a estudar o país. Já não há pensamento estratégico sobre o país e não há um pensamento estratégico que parta do plano nacional para se entender como Portugal se deve inserir na integração europeia. "


No jornal i.

by Pedro Magalhães

Ninguém disse que isto tinha de ter lógica

Posted March 20th, 2011 at 10:47 am4 Comments

"Paulo Portas falou para os que ainda acreditam em sondagens (...)  [e] pediu um voto reforçado no CDS para que o partido consiga descolar do BE e do PCP nas sondagens." 


In Público.

by Pedro Magalhães

Sondagens e resultados eleitorais em Portugal

Posted March 16th, 2011 at 1:50 pm4 Comments

Já está no correio para distribuição e estará em breve disponível no site da Sociedade Portuguesa de Estatística o Boletim da SPE da Primavera de 2011, dedicado ao tema Sondagens e Censos. Tem quatro artigos sobre o tema "sondagens": dois são de Manuela Magalhães Hill e de Paula Vicente (a primeira é co-autora de um dos livros em português de que mais gosto sobre inquéritos por questionário), um dando uma perspectiva histórica sobre as sondagens e outro discutindo problemas e implicações da utilização de telemóveis e da internet, assim como da adopção de sondagens mixed-mode. Outro é de um colectivo de autores, liderado por Sandra Aleixo, e aborda o tema dos "erros não amostrais". Finalmente, há um quarto artigo, escrito por mim, pelo Luís Aguiar-Conraria e pelo Miguel Maria Pereira, estudante de mestrado do ICS. É sobre este último artigo que gostaria de falar um pouco.

Em 2009, a ERC encomendou um relatório sobre as sondagens em Portugal, que fazia algumas constatações sobre divulgação/depósito dos resultados das sondagens, sobre as próprias sondagens e seus resultados e algumas recomendações. Na altura, discuti aqui, aqui e aqui este documento, e fui especialmente crítico da análise feita acerca das sondagens, suas características e sua relação com as discrepâncias entre os resultados das sondagens e os resultados das eleições. Este artigo para o Boletim da SPE, intitulado "As sondagens e os resultados eleitorais em Portugal", é a nossa proposta sobre como esse tipo de análise pode e deve ser feita.

O que fazemos? Basicamente, pegamos nos resultados de todas as sondagens de intenção de voto divulgadas na imprensa nos últimos 100 dias antes das eleições legislativas de 1991, 1995, 1999, 2002, 2005 e 2009, europeias de 1994, 1999, 2004 e 2009, e autárquicas de 2005 e 2009. No total, 287 sondagens. Com base nestes resultados, estimamos duas grandezas:

1. O desvio absoluto médio entre os resultados das sondagens e os resultados das eleições a que dizem respeito.
2. O desvio, por partido ou lista conjunta, entre os resultados das sondagens e os resultados das eleições a que dizem respeito.

E procuramos responder a duas questões:

1. Que factores contribuem para que o resultado de uma sondagem esteja, em média, mais ou menos próximo do resultado da eleição a que diz respeito?
2. Que factores contribuem para que o resultado de uma sondagem acabe por constituir uma sobrestimação (ou subestimação) do resultado de um determinado partido?

Sei que muitas das pessoas que visitam este blogue o fazem por razões que vão para além de saber "quem vai à frente nas sondagens" e que se interessam por estes temas. Gostávamos muito de ter os vossos comentários, sugestões e críticas.

by Pedro Magalhães