Pedro Magalhães

Margens de Erro

Só outra gracinha

Posted October 2nd, 2009 at 4:36 pm4 Comments

Se o Trocas tivesse sido uma sondagem para as legislativas, por quanto tinha falhado? Eis as últimas cotações antes do fecho do mercado dia 27 às 19.00h de Portugal Continental:

PS: 34
PSD: 32,5
CDS-PP: 8,95
BE: 11,05
CDU: 8

O desvio absoluto médio em relação aos resultados nacionais finais foi de 1,76. Melhor que a Marktest. Não levem isto demasiado a sério (sondagens não são previsões, sondagens - incluindo Marktest - feitas a vários dias da eleição, mercados incorporam informação das sondagens, etc, etc, etc). Mas que tem uma certa graça, até tem.

by Pedro Magalhães

Autárquicas

Posted October 2nd, 2009 at 2:54 pm4 Comments

Tal como há quatro anos, a Marktest tem um dossier sobre as sondagens publicadas sobre as autárquicas. Creio que lhes faltarão algumas, mas a arrumação e apresentação são boas, como habitualmente.

(Via Beijokense)

by Pedro Magalhães

Oeiras. Eurosondagem, 29-30 Set., N=548, Tel.

Posted October 2nd, 2009 at 11:30 am4 Comments

Isaltino: 39-43,2% (ponto central: 41,1%)
PS: 21,2-25% (ponto central:23,1%)
PSD/CDS-PP/PPM: 16,9-20,7% (ponto central:18,8%)
CDU:7,2-9,4% (ponto central:8,3%)
BE:4,3-6,1% (ponto central:5,2%)
PCTP/MRPP:0,4%

A soma disto dá 96,9%, pelo que se infere que OBN=3,1%. 12,4% da amostra são NS/NR. Tudo aqui.

by Pedro Magalhães

Trocas 1.1.4

Posted October 2nd, 2009 at 9:40 am4 Comments

No Trocas de Opinião, há agora gráficos que mostram a evolução das médias móveis ponderadas para cada cotação. Sobre as cotações propriamente ditas, o que pensa o mercado?

- Que a probabilidade de Pedro Santana Lopes ganhar as autárquicas em Lisboa é muito baixa. Já houve centenas de transações deste contrato, na sua esmagadora maioria abaixo de 10, e o índice nunca ultrapassou os 10. A última cotação, no momento em que escrevo: 6,5.

- Que a probabilidade de que Rui Rio ganhe a câmara do Porto com maioria absoluta é elevada. A cotação está acima dos 70 pontos desde 30 de Setembro. Dito isto, houve um número muito grande de títulos transaccionados a valores inferiores aos 50 e só com as últimas transacções o índice começou a recuperar.

- As vitórias de Isaltino em Oeiras e Narciso em Matosinhos não são vistas como garantidas. Cotação abaixo dos 50. Mas no caso de Isaltino, a subir.

- Que a vitória de Paulo Pedroso é Almada é vista como improvável. Houve picos com transações a 40, mas descida posterior em cotações e índice. Actual cotação é 5.

- A probabilidade do PSD obter 160 câmaras (teve 156 em 2005) é baixa, apesar da cotação estar a subir. Mas contrato pouco transaccionado.

Vamos ver como e se o mercado reage quando começarem a sair as últimas sondagens antes das eleições.

P.S.- Hesitámos, mas aí vão dois contratos de longo prazo: "Cavaco Silva recandidata-se à Presidência da República em 2011?" e "Governo cai antes de Setembro de 2010?".

by Pedro Magalhães

Tableau de bord para os próximos tempos

Posted September 30th, 2009 at 1:07 pm4 Comments


Uma coisa curiosa - mas não surpreendente - é que o Barómetro da Marktest de Setembro de 2009 foi o primeiro em que 20% dos votantes no PS exprimiram uma opinião negativa sobre a actuação do PR. Nos meses anteriores, essa percentagem andou em torno ou abaixo dos 10%.

by Pedro Magalhães

De volta

Posted September 30th, 2009 at 6:41 am4 Comments

O Trocas de Opinião tem seis novos contratos: 5 sobre autárquicas e um da bola, para um total de oito. E para o dia seguinte às autárquicas há já vários outros contratos na calha, vários deles sugeridos por vós por e-mail, no Twitter e na caixa de comentários (que esta Legislatura promete vir a ser muito animada).

Novidade: não é possível ter ordens pendentes para mais de 400 contratos. Foi a maneira mais simples e rápida de tentar controlar um pouco a orgia das vendas a descoberto. Vão lá às compras e vão dizendo coisas.

by Pedro Magalhães

Rescaldo das previsões eleitorais

Posted September 28th, 2009 at 2:11 pm4 Comments


Os cientistas sociais estão habituados a explicar por que motivo erraram nas suas previsões. Quando, antes do Verão de 2008, eu e o Pedro Magalhães nos propusemos a prever os resultados das eleições legislativas de 2009, estávamos, naturalmente, preparados para que tal viesse novamente a acontecer. Esse trabalho, publicado na Ipris Verbis, teve destaque de primeira página no semanário Sol.

Uns tempos depois de escrito e publicado, as condições que nos permitiram fazer as previsões alteraram-se com a crise financeira internacional. As nossas previsões baseavam-se em dados do pós 25 de Abril e nos nossos dados nada havia de comparável a esta crise. Estávamos preparados para justificar eventuais erros nas nossas previsões com base nisso. A crise financeira internacional, que atirou o mundo para uma recessão apenas comparável à dos anos 30 do século passado, tornou estas eleições num perfeito outlier. Qualquer tiro na água seria facilmente explicado.

Mas a realidade trocou-nos as voltas. A nossa previsão resumia-se a dois números: 38% para o PS e 27% para o PSD. Valores notavelmente próximos do resultado final. Assim, em vez de explicarmos por que motivo falharam as nossas previsões, vemo-nos na peculiar contingência de ter de explicar por que motivo acertámos, apesar dmudança radical de cenário.

É um assunto que iremos explorar em trabalhos futuros, mas, à primeira vista, há duas hipóteses óbvias. A primeira hipótese, e como não podia deixar de ser, é a de que o nosso modelo de muito pouco vale e se acertámos quase em cheio tal aconteceu por mero acaso. Ou seja, a sorte explica o sucesso da previsão. Uma segunda hipótese é mais simpática. Com a crise internacional, os eleitores ficaram com dificuldades em responsabilizar os governos pelas más performances da Economia que ocorreram no último ano. Assim, quando chamados a votar, fizeram a avaliação do governo com base nos dados que havia disponíveis antes da crise. Se esta segunda hipótese estiver correcta, então não é de admirar que o nosso modelo se tenha portado tão bem, dado que usámos os dados económicos que estavam disponíveis até pouco antes da crise internacional se alastrar para Portugal.

Neste momento, e com honestidade intelectual, teremos de reconhecer que não sabemos qual das duas hipóteses estará correcta. Quando estudarmos a questão, e como acontece tantas vezes, é até provável que surja uma terceira explicação que de momento não descortinamos.


Publicado em estéreo na Destreza das Dúvidas.

by Pedro Magalhães

Alemanha

Posted September 28th, 2009 at 12:14 pm4 Comments

Uma curiosidade: resultados eleitorais e sondagens na Alemanha.



2005 tinha sido o Titanic das sondagens alemãs. Desta vez, tudo normal.

by Pedro Magalhães

O Trocas

Posted September 28th, 2009 at 10:23 am4 Comments

Antes de mais, um sincero agradecimento a todos os que, passando por este blogue ou chegando lá de outra forma, aceitaram o desafio de "brincar" aos mercados de previsões na experiência do Trocas de Opinião. E especialmente às muitas pessoas que foram deixando aqui, nas caixas de comentários, muitas e muito boas sugestões sobre como melhorar o funcionamento do mercado. Algumas ainda puderam ser implementadas, outras não. Mas queria dizer que receber estas reacções, quase invariavelmente úteis e inteligentes, foi uma das coisas mais compensadoras e interessantes para mim em mais de quatro anos de Margens de Erro.

Rescaldo? Não é muito fácil. Vamos ter de analisar os logs e tentar perceber exactamente o que se foi passando ao longo do tempo. De resto, uma das pessoas envolvidas no projecto tenciona escrever uma tese sobre o assunto, pelo que a coisa é capaz de demorar um bocadinho. E aproximam-se as autárquicas, com novos contratos, pelo que o tempo para analisar e implementar soluções é curtíssimo.

Uma coisa é evidente: a possibilidade das vendas a descoberto, sendo interessante para gerar liquidez inicial, abriu grandes hipóteses de manipulação do mercado e gerou grande volatilidade. Mais ainda, o facto de não as termos limitado criou uma assimetria: para comprar, há um limite, o dos trocos disponíveis; para vender, não havia. Pelo que uma das coisas que tentaremos implementar nos próximos dias é uma forma de limitar as vendas a descoberto. Num dos logs que vi havia um investidor que fez muitas dezenas de vendas de 100 títulos de um contrato a 1 troco. Isto vai deixar de ser possível. Claro que, com grande liquidez e - muito especialmente - dinheiro a sério - a cantiga seria outra. Mas vamos tentar fazer, para já, o possível. Mais tarde, há muitas outras óptimas ideias vossas que tentaremos implementar.

O João Miranda - de resto, um dos grandes magnatas do Trocas, como verificarão se olharem para os rankings - fez ontem um post onde alinhava, com base nos valores da oferta e da procura a meio da tarde, as possíveis previsões que resultavam do mercado. Dizer se foram "boas" ou "más" é difícil. Poder-se-ia eventualmente dizer que poderiam servir de antídoto em relação quer às sondagens pré-eleitorais quer às próprias sondagens à boca das urnas, que sobrestimaram (mais as segundas que as primeiras, curiosamente) a margem de vitória do PS sobre o PSD. Mas não vale a pena entrar muito por aí: a verdade é que, nesta experiência, ainda ficámos longe da quase infalibilidade de coisas como o IEM, um mercado a dinheiro vivo e onde, não por acaso, não se permitem vendas a descoberto. Mas quem sabe se, com a vossa ajuda, não lá chegaremos? Para já, muito obrigado a todos, e aguardem as novidades.

by Pedro Magalhães

Rescaldo

Posted September 28th, 2009 at 12:08 am4 Comments

As abordagens habituais para apreciar a relação entre os resultados da sondagens e os resultados das eleições são os erros 3 e 5 de Mosteller. No erro 3, calcula-se a média dos desvios absolutos entre resultados e estimativas. No erro 5, o desvio em relação à margem de vitória. A maneira mais rough and ready de fazer isto é esta (dado o adiantado da hora, espero não ter errado nas contas, mas sei que há leitores atentos que não deixarão de me avisar se for esse o caso, o que agradeço):



Os resultados, em geral, não chegam a ser tão bons como os de 2005 - a eleição com as sondagens mais próximas dos resultados eleitorais de sempre - mas não ficaram longe disso. Este foi, de resto, o segundo conjunto de sondagens legislativas pré-eleitorais que acabou por ficar mais próximo dos resultados desde 1991, inclusive.

Recordo que, nas Europeias, o erro médio andou entre os 2,5 e os 2,7 (e sobre o erro 5 melhor nem falar, dado que só a Marktest tinha sequer colocado o PSD à frente). Desta feita, os erros médios oscilam entre 0,9 e 2. Foi a Aximage que publicou a sondagem com o menor desvio absoluto médio, e o CESOP a que mais se aproximou da margem de vitória. Mas as diferenças são, na maior parte dos casos, muito curtas e sem significado. No que respeita ao erro 3, até o facto da Marktest ter ficado um pouco mais longe pode estar ligado ao facto de ter terminado o trabalho de campo mais cedo (21 de Setembro, em vez 22 no CESOP, 23 na Intercampus e 24 na Aximage) ou, eventualmente, ter a amostra mais pequena. Mas estas sondagens estiveram mais próximas dos resultados eleitorais que as de todas as legislativas recentes com excepção da de 2005. A média dos erros 3 foi, desta vez, de 1,4, e no caso do erro 5 foi 1,1. Em 1991, 1995, 1999 e 2002, a performance foi sempre pior dos dois pontos de vista (apesar de - importa notar - só a comparação entre 2002, 2005 e 20o9 ser inteiramente justa, dado que, antes disso, a publicação e o trabalho de campo tinham de terminar mais cedo).

Já que estamos nisto, para os puristas: na verdade, o cálculo do erro 3 da forma mais canónica possível exige algumas operações adicionais:

1. Recalcular as estimativas que estão a ser comparadas com resultados eleitorais (as dos 5 principais partidos) de forma que a sua soma dê 100%.
2. Arrendondar cada estimativa à unidade.
3. Comparar com o resultado do verdadeiro universo das sondagens pré-eleitorais, ou seja, os resultados do Continente, transformados de forma a que a soma das percentagens dos cinco principais partidos dê também 100%;
4. Apresentar e tratar os resultados reais com uma casa decimal.

Fica aqui só para memória futura, porque do ponto de vista substantivo não faz grande diferença:



Nas sondagens à boca das urnas, não vale a pena estar com estas minudências, dado que todos os institutos estarão, com toda a probabilidade, a projectar para o todo nacional. Tomando o ponto central dos intervalos como a melhor estimativa, ficamos com o seguinte quadro:



Aqui, curiosamente, a sobrestimação da margem de vitória do PS nas sondagens à boca das urnas foi maior que no caso das sondagens pré-eleitorais. Aliás, o mesmo já tinha acontecido em 2005. Mas em 2005, os erros 3 também foram maiores nas boca da urnas do que nas pré-eleitorais. Isso já não sucedeu desta vez.

Uma coisa para meditar, se me permitem: as pessoas e os institutos que fizeram estas sondagens foram as mesmas que, há poucos meses, fizeram as sondagens das Europeias. E os métodos que utilizaram sofreram poucas ou nenhumas mudanças. Logo, da mesma forma que não me parece ter havido razão para demonizar as sondagens após as Europeias, também não me parece sensato "embandeirar em arco" com estas. A razão pela qual estas sondagens pré-eleitorais estiveram muito mais próximas do resultado final do que as sondagens pré-eleitorais para as últimas Europeias não tem nada a ver com a aquisição recente de poderes mágicos por parte dos institutos ou com mudanças radicais nas metodologias utilizadas. Muito mais sensato é pensar que há qualquer coisa que caracteriza as eleições Europeias que faz com que haja sempre maiores discrepâncias entre os resultados das sondagens e os resultados dessas eleições. E um bom palpite para essa coisa é, como há muito tempo se sabe, a abstenção.

Também não é por causa do que se passou agora que as sondagens passam a ser previsões de resultados eleitorais. Não eram, não são, e não é por terem estado próximo agora ou em 2005 que passam a ser. São sondagens. Há casos em que o retrato tirado a vários dias das eleições se mantém razoavelmente fiel ao que se vem a passar depois. Há até casos onde as tendências verificadas ao longo das sondagens pré-eleitorais são bons indicadores para o que possa ocorrer depois dessas sondagens terem sido realizadas. Mas também há casos, e vai continuar a haver, em que isso não sucede. Espero que a comparação entre o que se passou nas Europeias e o que se passou agora acabe por ter, desta forma, algum valor pedagógico. Espero, mas a julgar pelo que vou lendo tenho a impressão que, mesmo assim, e até entre gente que acho inteligente, continuamos na mesma. O problema, lamento, não são as "percepções dos leitores": o problema é quando aqueles que têm maiores responsabilidades na formação dos tais leitores correm para o pelourinho mais depressa do que eles.

Já agora: atenção ao que vem aí para as autárquicas. Uma das coisas que se sabe na literatura sobre a abstenção é que ela tende a ser maior em circunstâncias em que uma eleição foi precedida de outra eleição há pouco tempo ou quando se dá num quadro de frequentes eleições num curto espaço de tempo. "Fadiga eleitoral", diz-se. Se isso se confirmar, todos os avisos sobre as dificuldades em usar as sondagens com elemento de previsão, apesar de repetitivos, serão sempre poucos.

by Pedro Magalhães