Pedro Magalhães

O que os eleitores “querem”.

Por estes dias, toda a gente sabe o que os eleitores de cada partido queriam e preferiam quando votaram, o que significa o voto e que preferências transmitiu. Eu não tenho a certeza sobre 2015. Mas posso recuar a 2011, com os dados do estudo eleitoral português. Já passaram uns anos, as pessoas que votaram em cada partido em 2011 não são as mesmas que votaram desta vez, etc. Mas por mera curiosidade, como se distinguiram as preferências de cada eleitorado? Numa escala de 1 a 10, em que 1 significa uma coisa (normalmente mais associada a posições de esquerda) e 10 outra (normalmente associada a posições de direita), onde é que as pessoas que dizem ter votado em cada partido se posicionaram, em média?

Vejamos sobre o aborto:

Aborto

Hum, curioso. Em média, apenas os que votaram PSD são os que se aproximam mais do ponto intermédio da escala, o BE é o mais “à esquerda”, mas em geral próximos uns dos outros e ninguém em posições extremas.

E abandonar o Euro? Inevitável mais tarde ou mais cedo?

euro

Olha, os que votaram BE em 2011 eram os que menos concordavam com a ideia. Mas todos muito próximos, também.

E vamos lá ver, quem quer mais estado ou menos estado na saúde e na educação? É evidente, não é?

educaçãosaude

Pelos vistos, em geral, privado vade retro. E curioso, os que votaram BE até são menos desfavoráveis ao privado na educação.

E privatizações de empresas públicas?

empresas

Todos tão próximos? E os eleitores do PS são os que mais se opõem? Olha que giro.

E se tivéssemos de escolher, o que mais queríamos: incentivar a iniciativa individual ou promover igualdade?

rendimento

O CDS menos igualitarista, é certo, mas os outros relativamente alinhados.

E defender liberdades cívicas ou defender a lei e a ordem?

lei e ordem

Alinhamento previsível. Mas diferenças tão pequenas…

Bem, se calhar são as perguntas que não prestam, pode ser isso. A outra hipótese é que a conversão entre as preferências dos eleitores em termos de valores e políticas públicas em Portugal seja péssima, seja porque os partidos são pouco claros nessa tomada de posição, seja porque os eleitores são pouco interessados e informados, ou talvez, talvez, porque os eleitores cada vez mais descontem todo o tipo de coisas que os partidos lhes tentem transmitir sobre estes assuntos e sejam movidos por outras considerações (desempenho, liderança, etc). Mas isto é só para dizer que, quanto vos disserem que os eleitores dos partidos queriam isto e aquilo, desconfiem.

P.S.- Para detalhes sobre o estudo eleitoral português de 2011, ver aqui. Os maiores ou menores intervalos em torno das estimativas para cada partido reflectem, no fundamental, os diferentes tamanhos das sub-amostras de votantes em diferentes partidos. Os resultados decorrem de pós-estratificação amostral, para corrigir distorções na composição da amostra em termos socio-demográficos e eleitorais.

  • […] é muito interessante: “O que os eleitores “querem”“. E, apesar de serem dados de 2011, põe numa perspetiva curiosa aqueles que têm a certeza […]

  • […] Podem ler este excelente post do Pedro Magalhaes aqui: O que os eleitores “querem” […]

  • […] "Por estes dias, toda a gente sabe o que os eleitores de cada partido queriam e preferiam quando votaram, o que significa o voto e que preferências transmitiu. Eu não tenho a certeza sobre 2015. Mas posso recuar a 2011, com os dados do estudo eleitoral português. Já passaram uns anos, as pessoas que votaram em cada partido em 2011 não são as mesmas que votaram desta vez, etc. Mas por mera curiosidade, como se distinguiram as preferências de cada eleitorado? Numa escala de 1 a 10, em que 1 significa uma coisa (normalmente mais associada a posições de esquerda) e 10 outra (normalmente associada a posições de direita), onde é que as pessoas que dizem ter votado em cada partido se posicionaram, em média?"Leia mais em http://www.pedro-magalhaes.org/o-que-os-eleitores-querem/  […]

  • […] — in Pedro Magalhães, “O que os eleitores ‘querem’”. […]