Pedro Magalhães

Respostas à pergunta

Vários comentários e e-mails directos sobre o tema do post anterior. Realmente, já me tinham dito que havia uma coisa nova chamada Internet e que era fabulosa.

1. Um post do Mr. Brown em Os comediantes, cuja leitura aconselho.

2. Várias pessoas apontam o “falso” anúncio de Bernanke de que o Fed poderia diminuir o ritmo de compra de títulos. E é verdade que a subida de Maio ocorre exactamente no dia seguinte.

3. Depois, muitas maneiras de ver estas evoluções que revelam a importância da crise política:

* As subidas imediatamente após as demissões (Julho) e decisão de Agosto do TC e sua resposta política:

Crise política

* A divergência da evolução as obrigações portuguesas em relação às italianas e espanholas:

Divergencia

* Mais divergência, desta vez olhando para o diferencial em relação às taxas alemãs, com comportamento particularmente diferente em Julho (demissões) e Agosto (TC, revisão de metas, etc):

Divergencia spreads

E junto algumas citações de mensagens que recebi, nem todas na mesma direcção:

“O que tem definido o valor dos juros da divida portuguesa tem sido desde sempre o grau de liquidez injectada no mercado pelo BCE. Isso foi verdade quando os juros desceram abruptamente (embora por cá tivesse havido personagens a reclamar para esse mérito) e depois quando o BCE começou a secar os mercados secundários voltaram a subir. O que por cá se passa é apenas o tempero de um prato preparado em take away.”

“Depois do fenómeno [demissões] existe uma continua divergência das obrigações portuguesas em relação às Italianas e Espanholas , divergência essa que nos 3 meses anteriores podemos observar que quase não existia. É razoável afirmar que tal se deve, pelo menos parcialmente, à crise política e à consequente quebra de confiança na coligação.”

“Em IT e ES o spread está actualmente abaixo do mínimo registado em Maio, ao passo que PT está 140pb acima do mínimo (e 60pb acima do valor registado imediatamente antes da primeira demissão).”

“É verdade que o mercado é pouco líquido, pelo que muitas vezes o preço tem movimentos bruscos provocados por ordens de compra/venda relativamente pequenas… Por isso, com um fluxo de notícias positivas (p.ex. com uma conclusão favorável da review) a tendência também se pode reverter de forma relativamente rápida…”

“I don’t think the first announcement of the Constitutional Court had such a strong impact in the yields because the government was very quick and good at selling the alternative cuts that would replace those annulled by the judges. The problem with the last ruling is that it has made investors realize that the government has a hard constraint in terms of policy that is preventing it from delivering on its ‘promises’.”

“My concern is that Bernanke’s decision not to taper for now should have had a positive effect on the yields (look at Spain’s and Italy’s despite the Berlusconi situation), but they have barely moved in Portugal…”

“Lá fora joga-se o essencial, mas cá dentro têm que ser cumpridos mínimos olímpicos…”

Obrigado a todos.