Pedro Magalhães

Sondagens nas autárquicas

Dei uma olhada pelas sondagens autárquicas que têm sido divulgadas na comunicação social e depositadas na ERC. Tinha em mente um post que me ia demorar um dia a fazer, com gráficos e quadros. Mas a informação disponível é tão escassa que o modo narrativo me parece suficiente. Julgo não me enganar se disser que há oito concelhos que têm despertado maior interesse por parte de quem encomenda sondagens: Lisboa, Porto, Braga, Oeiras, Matosinhos, Aveiro, Viseu e Gaia. Mas “maior interesse” é relativo: se recuarmos até Maio, os concelhos onde houve mais sondagens foram Lisboa e Porto, mas em cada um foram conduzidos apenas 5 estudos, sendo que desse total de 10, 6 são da Eurosondagem. É bom quando há muitas sondagens de muitas empresas diferentes, até para podermos controlar possíveis house effects. Não é o caso.

Destes oito concelhos, as maiores dúvidas estão em Oeiras, Braga, Matosinhos e Gaia. Em Lisboa, a margem mínima dada a António Costa é de 16 pontos, e isso foi em Maio passado. As três sondagens seguintes deram-lhe margens de vitória ainda maiores. Não há qualquer indicação de que Ribau Esteves não esteja  seguro em Aveiro. Almeida Henriques tem 10 pontos sobre José Junqueiro na última sondagem em Viseu. No Porto, as coisas estão menos seguras para Menezes, mas a mínima vantagem que as sondagens lhe deram agora foi de 7 pontos sobre Rui Moreira (nos dois últimos estudos da Eurosondagem, de 27 de Julho e de 7 de Agosto).

Nos restantes quatro concelhos, os resultados são mais incertos e, nalguns casos, até um pouco estranhos. Em Oeiras, a sondagem mais recente (de 14 de Agosto) coloca Paulo Vistas com uma vantagem de apenas 3 pontos sobre Moita Flores. Mas o estudo imediatamente anterior (de Maio) dá uma vantagem brutal a Moita Flores, da ordem dos 20 pontos. Note-se que esta última foi encomendada pela própria candidatura de Moita Flores, o que não quer dizer que isso seja a explicação.

Em Braga, três sondagens desde Maio, duas da Eurosondagem e uma da Intercampus. A diferença máxima entre Ricardo Rio (PSD/CDS/PPM) e Vítor Sousa (PS) é de 3 pontos, no último estudo de Julho da Eurosondagem.

Em Matosinhos, Guilherme Pinto (ex-PS, agora independente) lidera nos quatro estudos conduzidos. Mas nos mais recentes (da GTriplo e da Eurosondagem, de finais de Julho/início de Agosto), a sua vantagem sobre António Parada (PS) está em 2 pontos.

Em Gaia, 4 sondagens. Mas numa delas, os resultados nem sequer estão disponíveis na ERC. Nos dois estudos da Eurosondagem, de Maio e Julho, Guilherme Aguiar  (independente) e Eduardo Vitor Rodrigues (PS) estão praticamente empatados a 30%, e empate era também o resultado do estudo da DOMP de Maio.

Sintra é um caso estranho, por ter suscitado tão pouco interesse. A ERC reporta duas sondagens, uma da Aximage outra da Eurosondagem mas, consultados os ficheiros, ambos remetem para um único estudo, com Marco Almeida e Basílio Horta basicamente empatados. [ver P.S. abaixo]

Duas notas finais, de resto relacionadas entre si:

1. Se incluirmos Sintra, é perfeitamente possível que, destes nove, quatro venham a ser presididos por independentes (Oeiras, Matosinhos, Sintra e Gaia).

2. É também possível que, desde nove concelhos, o PS conquiste apenas uma câmara (Lisboa).O Porto parece fora do alcance do PS, Braga e Matosinhos (onde o PS NUNCA perdeu) estão em risco e Gaia e Sintra estão longe de estarem certos. Para além disto, o que temos? Guimarães deverá estar seguro. Mas a notoriedade de Bernardino Soares pode trazer problemas em Loures. E se a isto somarmos Gondomar (onde Marco Martins terá dificuldades em bater Fernando Paulo), Santarém (onde o incumbente Ricardo Gonçalves do PSD tem vantagem), Coimbra (onde não é nada certo que Manuel Machado destrone Barbosa de Melo) e Vila Real (onde Rui Santos e António Carvalho aparecem par a par na única sondagem que conheço), o PS arrisca-se a ter uma noite eleitoral algo complicada.

P.S. – Entretanto, avisam-me que a sondagem da Aximage já está disponível na ERC. O trabalho de campo terminou a 4 de Julho, e aí Basílio Horta aparece com 6.5 pontos sobre Marco Almeida, antes de redistribuição de indecisos. Muito obrigado.

  • […] técnica que permite um olhar mais matemático sobre os dados disponíveis. O Pedro Magalhães ( Margem de Erro) é um dos melhores especialistas nesta […]

  • […] e 2009 e a diferença entre os números avançados nos últimos dias de campanha. Pode ser que o Pedro Magalhães consiga explicar […]