Pedro Magalhães

Tendência

Qual o caminho percorrido para chegarmos aos resultados conhecidos hoje? É duvidoso que as diferenças entre as sondagens feitas ao longo do tempo resultem exclusivamente de mudanças nas preferências nos eleitores. Várias das hipóteses avançadas nos posts anteriores para a “convergência” nos últimos dias são, aliás, contrárias a essa ideia, e o céptico que aqui escreveu juntou razões adicionais.

Contudo, suspendam por momentos a descrença. Como apreciar a plausibilidade a ideia de que as preferências dos eleitores mudaram ao longo da campanha e pré-campanha? Três maneiras, por ordem crescente de sofisticação:

1. Comparar sondagens entre si mantendo constante o instituto que as produziu. Se nos concentrarmos nos institutos com mais observações ao longo do tempo – Aximage e Marktest – rapidamente verificamos que em ambas:

– Cavaco mantém-se estável até pelo menos até à primeira semana de 2006, descendo a partir daí;
– Alegre desce até à primeira semana de 2006, começando a subir a partir daí;
– Soares sobe até fim de Dezembro/início de 2006, descendo de seguida e estabilizando no final.

2. Smoothing:




As tendências são confirmadas quando ajustamos uma regressão local aos dados: Cavaco oscilante, com tendência final de descida; Alegre a descer até ao princípio de Janeiro, crescendo no final; Soares sobe até final de Dezembro, iniciando depois declínio e com estabilização final; Jerónimo e Louçã com tendência de lenta mas consistente subida ao longo do tempo.

3. Controlar “house effects”:

O problema das abordagens anteriores é o facto de estarem ainda, porventura, excessivamente dependentes de quem faz as sondagens. Notem: se partirmos do princípio de que existem “house effects” – um enviesamento sistemático resultante do facto de um determinado instituto fazer um conjunto estável de opções metodológicas – então não devemos ficar surpreendidos com o facto da abordagem 2. repetir as conclusões da abordagem 1.: afinal, a Aximage e a Marktest foram que mais com sondagens para o bolo total.

Uma maneira de tentar chegar a um resultado “livre” de house effects é a avançada por Erikson e Wlezien, num artigo intitulado “Presidential Polls as a Time Series”, no volume 63 da Public Opinion Quarterly (1999). Os que não gostam de estatística saltam para o parágrafo seguinte. Se regredirmos os resultados das sondagens em relação a variáveis dicotómicas (com valores 0 e 1) representando os institutos de sondagens que as fizeram (todos menos um) e as datas das sondagens, os coeficientes associados às variáveis temporais vão, se a constante for excluída da equação, representar as estimativas para cada candidato “livres” de house effects (ou seja, mantendo esses efeitos constantes).

Devido ao escasso número de sondagens, tive de definir as variáveis temporais como representando períodos e não datas singulares. Os resultados da análise são os seguintes:

Não tem os valores concretos porque, para o que conta (e por razões técnicas que não vale a pena explicar aqui), esses valores não são muito importantes e variam de acordo com algumas opções que se tomem na análise. O que importa, e é indiferente a essas opções, é a tendência. E essa é clara: independentemente dos efeitos que cada instituto de sondagens impõe – pelas opções técnicas que metodológicas que toma – nos resultados, Cavaco desce na última semana, Alegre sobe na última semana, Soares desde a partir de Dezembro e Jerónimo e Louça sobem com ultra-lentidão.

Era o que toda a gente já sabia? Pois. Mas assim a incerteza diminui.