Pedro Magalhães

Como tratar malfeitores de 10 anos

Ao que parece, para os exames de Matemática e Língua Portuguesa do 1º ciclo (1ª fase a 7 e 10 de maio, 2ª fase a 9 e 12 de julho), as regras aprovadas pelo Ministério da Educação para o funcionamento das provas a prestar por estes terríveis malfeitores de 10 anos de idade incluem:

1. A presença obrigatória de dois professores, que;

2. Não podem ser do mesmo “grupo de docência” (ou seja, se bem entendo, não podem ser nem de português nem de matemática). Isto é bom, porque como sabemos professores de Estudo do Meio e de Educação Física não sabem o que é o pretérito perfeito nem que 2/4 é igual a 0,5 e assim não podem ajudar os miúdos no exame.

 3. Também não podem ser do mesmo ciclo, o que certamente aumenta a integridade do processo, porque como sabemos os professores de Geografia do 11º ano ou de História do 7º não fazem a mais pequena ideia sobre como se calculam áreas nem sobre quantos lados tem um triângulo, e assim não podem ajudar os miúdos a fazer batota neste momento absolutamente crucial de avaliação do seu percurso escolar.

A consequência deste rigoroso dispositivo de segurança é simples: em escolas onde só haja o 1º ciclo, os tais miúdos (já vos tinha dito que têm 10 anos?) têm de se deslocar a outra escola onde haja professores de outros grupos de docência e de outros ciclos para lhes vigiarem os exames, onde serão sentados por ordem, presumo, alfabética, em salas onde nunca estiveram e sob a feroz vigilância de professores que nunca viram mais gordos, uma coisa mais ou menos parecida com a minha inspecção militar no Quartel de Santa Clara em Coimbra, com a diferença de que aí os tropas nos berraram as respostas aos testes psicotécnicos para haver a certeza absoluta de que ninguém ficava inapto.

Mesmo assumindo que este dispositivo de segurança faria alguma espécie de sentido para miúdos desta idade – uma assunção heróica – sempre haveria a hipótese de fazer com que os professores externos se deslocassem às escolas em vez de serem os miúdos a fazê-lo. Mas reconheçamos que isso privaria o país de milhares de pais a perderem manhãs de trabalho nos dias desses exames, evitaria que houvesse desigualdades entre crianças que frequentam escolas só com 1º ciclo e as outras (que podem fazer o exame na própria escola), e daria até a imagem de que no Ministério da Educação alguém teria pensado sobre as consequências destas regras, e é evidente que não queremos nada disto.

4 Comments

  1. Era mesmo necessário citar Donald Rubin?

  2. Aqui não se faz a coisa por menos.

  3. Nem por acaso, a primeira vez que me cruzei com essa do Rubin (que ele adora), foi num artigo em que criticava o uso de ‘Value Added Models’ (VAMs) em educação.
    A ideia desses modelos é usar os resultados dos alunos em avaliações padronizadas (como os exames de quarto ano), usar um monte de controlos estatísticos e estimar o ‘valor acrescentado’ de cada professor nos resultados dos alunos.
    Com essa estimativa promove-se, despede-se, aumenta-se o ordenado do corpo docente. Muito popular por aqui nos EUA.
    A ideia do Rubin é simples: assumir que esses modelos controlam todas as variáveis de alocação e controlo era um “pressuposto heróico”.
    Não há nada como usar linguagem homérica numa discussão sobre estimativa de efeitos causais.

  4. Este comentário foi removido pelo autor.

Leave a Comment

You must be logged in to post a comment.