offer swiss eta movement rolex replica.

the unique contribution well worth grow to be the conveniences cheap replica uhren.

how many sex doll are many annually?

Pedro Magalhães

Dúvidas existenciais (primeira)

Num post anterior, escrevi que “há várias questões cuja resposta, creio, não é dada por nenhuma destas sondagens com qualquer razoável margem de confiança:

1. Maioria absoluta ou não;
2. Margem de vitória;
3. Posição relativa CDS/CDU;
4. Dimensão da subida do BE em relação a 2002.”

Ora bem. Para além do que possa ter a ver com o futuro de Santana Lopes, a margem de vitória tem uma importância relativa, excepto na medida em que se relaciona com os ponto 1 e 3 (em particular na relação de votos PSD-CDS/PP).

Ficamos assim com três questões fundamentais. Questões para as quais, lamento, estas sondagens não dão respostas definitivas. Vamos à primeira.

Maioria absoluta? Os resultados apresentados oscilam entre os 43% e os 47%. Por assim dizer, entre maioria relativa e maioria absoluta. Para além disso, mesmo que tenhamos uma crença especial na capacidade de uma sondagem em particular para estimar resultados, a margem de erro amostral associada a cada uma delas faz com que seja difícil responder à questão. Tomemos aquela em que eu acredito mais, ou seja (surprise) a da Católica. É preciso recordarmos que a estimativa de 46% significa, tomando em conta a margem de erro amostral, um valor entre 44,6% e 47,4%. Ou seja, potencialmente, a diferença entre a maioria relativa e a maioria absoluta. Para as restantes sondagens, com amostras menores, o problema, por maioria de razão, também existe. E o seu trabalho de campo foi realizado, na maioria dos casos, uma semana antes das eleições. E há, pelo menos na sondagem da Católica, 12% de indecisos.

Logo, não se sabe se haverá ou não maioria absoluta. Ou melhor: nem sequer é possível dizer se, no momento em que se fez o trabalho de campo, haveria ou não uma maioria absoluta. Não pensem que estou a ser propositadamente defensivo, a proteger as sondagens de possíveis “fracassos” ou coisa parecida. É preciso perceber que as sondagens têm limites. Um deles é este.

Dito isto, o meu palpite, se tivesse mesmo de dar um, é o seguinte: se a abstenção descer significativamente, o PS chega lá. A razão está aqui.

No Comments Yet

Leave a Comment

You must be logged in to post a comment.