Pedro Magalhães

Eurosondagem, N=1550, 23-25 Maio, Tel.

O resultado apresentado pela Eurosondagem de hoje parece-me ser a média ponderada dos resultados de 3 dias de trabalho de campo, um com 525 inquiridos, outro com 510 inquiridos, e outro com 515 inquiridos.

PSD: 33,6%
PS: 32,5%
CDS-PP: 12,8%
CDU: 8,1%
BE: 6,5%

Aqui.

9 Comments

  1. O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 23,5% respondentes “Ns/Nr” se abstêm e resulta da seguinte média: Dia 23/05 – 30%, dia 24/05 – 30%, dia 25/05 – 40%.

  2. G says:

    Sem alterações, em relação à última sondagem, a minha previsão de deputados.

    Gostava no entanto de deixar uma reflexão que penso talvez só ser útil a seguir ao acto eleitoral. Será este o sistema eleitoral apropriado ao nosso país? Será o mais justo e correcto? A questão dos distritos deve-se manter? Nao deveria haver apenas um círculo nacional, com obrigações regionais nos elencos a apresentar? Como fazer para não termos votos desperdiçados nos círculos mais pequenos?…Reflexões…

  3. Paulo says:

    Uma reflexão também, mas mais politizada …

    Numa situação em que os potenciais votantes de um partido são unanimemente apelidados, nos meios de comunicação dominantes, de pouco inteligentes, interesseiros, comprometidos, coniventes, irresponsáveis “and so on” (numa versão ultra ligeira do que realmente se diz), e em que todos os outros são tidos como inovadores, livres e libertadores, na hora em que o telefone toca e uma voz estranha lhes entra em casa a perguntar: “em quem vai votar”, não haverá, em muitos casos, alguma inibição em responder?

    Este fenómeno estará estudado?

  4. @Paulo, Parabéns pela lucidez na questão que coloca, não poderia estar mais acertada!

  5. Por outro lado se isso é verdade também pode haver gente que se sinta inibida de dizer que irá votar no “ultraliberal” PSD. De qualquer modo a questão é sem dúvida muito interessante, mas parece-me que só poderá ser respondida a partir do dia 5 à noite.

  6. Miguel Maria says:

    É um problema de desejabilidade social: a tendência para omitir opiniões impopulares. Para saber se isso ocorre é preciso voltar a questionar as mesmas pessoas inquiridas para uma sondagem, depois da eleição. Não há nenhum trabalho desses em Portugal, pelo menos que tenha sido divulgado. Nos EUA há alguns estudos que dizem que esse problema existe mais tendencialmente em sondagens telefónicas e menos em presenciais, particularmente se se utilizar uma simulação de urna.

  7. @Paulo Já me tinha questionado o mesmo, bem visto.Até que ponto tal poderá influenciar o voto no dia 5, o voto real… é que há pessoas com algum ‘receio’ em dizer o sentido de voto

  8. Pedro Sousa says:

    …dia 5 veremos. Confio no sentido de justiça dos portugueses. Cada um interprete como quiser. Mas se sentirem algum incomodo a ler este comentário é sinal que vão votar no partido errado, por isso … 🙂

  9. MAF says:

    A única coisa com que eu não concordo, relativamente aos comentários anteriores, é que os “meios de comunicação dominantes” transmitam a posição reflectida no comentário do Paulo. Eu acho mesmo, pelo contrário, que transmitiram a posição exactamente oposta, pelo menos até à data do debate Passos-Sócrates, em que finalmente se moderaram um pouco relativamente ao favorecimento de um dos partidos…

Leave a Comment

You must be logged in to post a comment.