offer swiss eta movement rolex replica.

the unique contribution well worth grow to be the conveniences cheap replica uhren.

how many sex doll are many annually?

Pedro Magalhães

Mais gráficos

Há dias, numa apresentação que fiz no Museu Biblioteca República e Resistência, num ciclo organizado pelo ICSTE, mostrei uns gráficos. Há dois que gostava de mostrar aqui.

O primeiro mostra a soma das percentagens de votos válidos obtidos pelo PS e pelo PSD em cada eleição. Em 1979 e 1980, a votação do PSD é estimada como uma proporção do voto na AD, calculada na base da média dos resultados PSD, CDS e PPM nas eleições imediatamente anteriores e posteriores. E para 2009, os 67% são a estimativa das sondagens para Março de 2009, controlados “house effects”. O que o gráfico diz é simples: se as eleições fossem hoje (eu sei, eu sei), PS e PSD teriam, no seu conjunto, o pior resultado desde as eleições de 1985.

O segundo gráfico repete esta informação mais adiciona uma série, a da soma dos votos válidos nos candidatos presidenciais apoiados pelo PS e pelo PSD (1º volta, quando houve duas). Exclui, no entanto, todas as eleições presidenciais onde o Presidente se apresentou a reeleição, por terem características muito diferentes.

Há uma “teoria” sobre a bipartidarização em Portugal que a vê como efeito das presidenciais, ou seja, como efeito da constituição de dois “blocos” em torno de dois principais candidatos, que ajudaria a cristalizar os votos em torno dos dois principais partidos. A “teoria” inversa – bipartidarização concentra votos nos candidatos dos dois principais partidos – é igualmente plausível e, confesso, nem sei bem por onde começaria para testar uma ou outra como deve ser. Mas a observação das duas séries é, digamos, sugestiva. Até para pensarmos em como as presidenciais de 2006 podem ter ajudado a “soltar” eleitores do PS…

3 Comments

  1. Em 1985 o PRD “soltou” muitos votos do PS que foram para a Direita (PSD).
    De facto, nas últimas presidenciais o M. Alegre pode ter “solto” votos, mas que desta vez vão para a Esquerda (BE).
    Temos uma tragédia política à vista?

  2. Anonymous says:

    Interessante será ver se o PS terá condições para governar aliando-se ao CDS.
    A não ser assim vejo muito dificil o PS aliar-se ao BE ou ao PCP, por razões que bem sabe.
    Restaria ainda a hipotese PS+CDS+PSD madeira (seria irónico), mas teriamos como ultimo recurso o regresso do bloco central.
    Assim sendo acho que devia existir uma grande atenção nas sondagens sobre a possibilidade PS+CDS (mesmo com o CDS apoiando apenas informalmente o PS como sucedeu durante os governos de Guterres)

    Cam

  3. Anonymous says:

    No seu gráfico falta o PRD. Bem sei que o PRD não era um partido do chamado “bloco central”, contudo foi um epifenómeno cujos eleitores eram do Bloc Central e que flutuavam entre PS/PSD. Aliás a ambição do PRD era essa mesma ser do bloco central.
    Se por outro lado “Bloco Central” caracterizr partidos de Centro (ESq ou Dir), o PRD era o mais central de todos (aliás sentava-se na AR entre PS e PSD.

Leave a Comment

You must be logged in to post a comment.