Pedro Magalhães

Margens de Erro

A dimensão da amostra

Posted September 18th, 2009 at 9:57 am4 Comments

Num comentário, pergunta-se que diferença faz a dimensão de uma amostra. A resposta é porventura mais interessante do que se possa imaginar.

A resposta canónica é que uma amostra maior produzirá estimativas mais precisas. Vamos imaginar um país com 9 milhões de eleitores em quem metade das pessoas vota no partido A e a outra metade no partido B. E para simplificar, que esta gente nunca muda de opinião, aceita sempre responder a sondagens, nunca mente e que se consegue obter uma amostra onde cada um dos eleitores teve exactamente a mesma probabilidade de ser seleccionado. Se eu retirar uma amostra de 100 pessoas, tenho 95% de hipóteses que, na amostra, a percentagem de pessoas que vota no partido A esteja algures entre 40,2 e 59,8%. Mas se retirar uma amostra de 1000 pessoas, vou obter, com a mesma probabilidade, algo ente 46,9 e 53,1%. Todos sabemos que, na prática, as pressuposições que fiz atrás são irrealistas. Mas a verdade é que a maior parte da investigação que existe sobre o assunto, lá fora e até em Portugal, mostra que, ceteris paribus, sondagens que utilizam amostras maiores tendem a gerar resultados que se aproximam mais daqueles que acabam por ser os resultados eleitorais.

Mas imaginem agora que há um mentiroso em cada cinco eleitores do partido A. Gosta de enganar as sondagens, dizendo sempre que vota no partido B quando, afinal, é um indefectível do partido A. Por outras palavras, se perguntássemos aos 9.000.000 em que partido vão votar, só 40% diriam que votariam no partido A (quando, na verdade, metade vai de facto fazê-lo). Feita a sondagem com 1000 inquiridos seleccionados aleatoriamente, há 95% de probabilidades de que estime um resultado para o partido A algures entre os 37 e os 43%. Feita a sondagem com 100 inquiridos seleccionados aleatoriamente, há 95% de probabilidades de que apareça um resultado entre 30,4 e 49,6% para o partido A.

Chega o dia das eleições e, claro, o partido A tem 50% e o partido B idem. E que sondagem ficou mais perto? É quase certo (com 95% de probabilidades) que a sondagem da amostra maior nunca ficará a menos de 7 pontos do resultado final para o partido A. Mas a sondagem dos 100 inquiridos, por mero acaso, pode facilmente ficar bem mais perto. Quem diz "mentir" às sondagens diz taxas de resposta diferenciais, incapacidade de contactar um determinado tipo de eleitorado, etc. Sondagens com amostras maiores dão estimativas mais precisas, e, logo, se houver enviesamentos, estimam-nos mais precisamente.

Foi o LA-C que me pôs a pensar nisto há uns tempos. Espero ter explicado a coisa correctamente.

by Pedro Magalhães

Shameless plug

Posted September 18th, 2009 at 9:38 am4 Comments


Mais logo, às 18h, no ICS (Av. Prof. Aníbal de Bettencourt, 9, junto ao ISCTE e perto da Biblioteca Nacional), o lançamento de um livro e uma mesa-redonda. O livro chama-se "As eleições legislativas e presidenciais, 2005-2006: campanhas e escolhas eleitorais num regime semipresidencial". Foi organizado por mim e pela Marina Costa Lobo. Os capítulos baseiam-se num conjunto de dados recolhidos em 2005 e 2006, sobre a cobertura que os media fizeram das campanhas e - através de dois inquéritos pós-eleitorais - as atitudes e comportamentos dos eleitores. Para além de capítulos escritos por mim e pela Marina, há também capítulos escritos por Braulio Gomez e Irene Palacios, Carlos Jalali, André Freire, Eduardo Cintra Torres, José Santana Pereira e Susana Salgado. Os últimos quatro irão participar também numa mesa-redonda onde falarão daquilo que fizeram neste livro, assim como das eleições que se avizinham.

by Pedro Magalhães

Legislativas. Aximage, 14-17 Setembro, N=753, Tel.

Posted September 18th, 2009 at 7:31 am4 Comments

Resultados com indecisos:
PS: 36,1%
PSD: 29,7%
BE: 10%
CDS-PP: 7,6%
CDU: 7,5%
OBN: 4,8%
Indecisos: 4,3%

Abstenção: 35,7%

Se tratarmos os indecisos como abstencionistas (o que não é feito na sondagem, mas apenas aqui, para tornarmos os resultados das sondagens comparáveis), ficamos com:

PS: 37,7%
PSD: 31,0%
BE: 10,4%
CDS-PP: 7,9%
CDU: 7,8%
OBN: 5,0%

by Pedro Magalhães

Legislativas. CESOP-UCP, 11-14 Setembro, N=1305, Presencial.

Posted September 18th, 2009 at 7:27 am4 Comments

O relatório-síntese pode ser descarregado aqui.

by Pedro Magalhães

Delírio

Posted September 17th, 2009 at 3:52 pm4 Comments

Os boatos que circulam sobre resultados de sondagens, por vezes mesmo antes dessas sondagens terem sido completadas ou os seus dados analisados, são uma coisa absolutamente delirante. Um dia hei-de vos contar.

by Pedro Magalhães

Trocas de Opinião

Posted September 17th, 2009 at 12:01 pm4 Comments

Ora aí está, desde as 12.00h de hoje, o Trocas de Opinião, um mercado electrónico de previsões políticas e sociais com play money. Quem quiser uma introdução sobre como funcionam estas coisas e para que servem pode ir ver posts passados (um sobre as capacidades preditivas dos mercados em geral e no campo eleitoral em particular e outro sobre funcionamento genérico).

Mas melhor ainda é ir ler o que a equipa do Trocas preparou para ajudar os novos investidores: um Guia do Utilizador e um FAQ. A página inicial mostra algumas cotações que resultaram de negociações iniciais entre um conjunto muito pequeno de utilizadores beta. Logo, é muito provável que haja já à partida grandes negócios para fazer, porque as cotações estão muito longe de terem integrado informação suficiente. Mas para isso, e para ver a evolução de cotações de todos os contratos e suas fichas técnicas, é preciso registo. Para os mais sofisticados, há ainda a possibilidade de transaccionar contratos "a descoberto". O FAQ aborda a possibilidade e, lá dentro, na secção Artigos, há um texto que explica o que isto significa.

Quem se registe terá, do lado esquerdo, um menu que permite fazer tudo o que é necessário no mercado: consultar a carteira de títulos de que cada investidor dispõe; listar os contratos existentes no mercado (em resumo ou em detalhe); criar ordens de compra ou venda; ler um extracto com as transações feitas, custos e dinheiro em carteira; rever a história de ordens de compra ou venda (e o estado dessas ordens, se já concretizadas ou aguardando comprador ou vendedor); e consultar as cotações dos contratos. Há também um ranking dos investidores por contrato, ordenado por mais valias realizadas.

O mais importante de tudo é tomar em conta que isto não passa, para já, de uma experiência. E é uma experiência cujo sucesso depende de várias coisas. Em primeiro lugar, de o desenho do mercado e de os algoritmos por detrás das transacções estaram bem concebidos e sem falhas. Suponho que iremos todos descobrir isso ao longo do tempo. E em segundo lugar, esse sucesso depende de...ter sucesso. Um mercado de previsões só produz boas previsões se tiver liquidez e investidores em quantidade suficiente para integrar o máximo de informação. E se alguém quiser distorcer o mercado inflacionando ou deflacionando cotações, essas manipulações geram imediatamente possibilidades de mais valias, que se aproveitadas irão reequilibrar as cotações novamente. Mas isso exige também liquidez e investidores interessados no "lucro".

Mas é uma experiência que tinha de ser feita, e ainda bem que foi. E chegou-me aos ouvidos que não é a única que anda a ser preparada por aí. Se se concretizarem mais coisas, divulgarei aqui também.

by Pedro Magalhães

Determinação

Posted September 16th, 2009 at 3:16 pm4 Comments

O custo do voto, por assim dizer (actualizado)

Posted September 15th, 2009 at 4:16 pm4 Comments

O Jesus Sanz, um doutorando espanhol aqui no ICS, ficou muito impressionado com o facto dos gastos orçamentados pelos partidos para campanhas eleitorais ser informação pública e facilmente acessível. Segundo me diz, na sua nativa Espanha, não sucede o mesmo.

Vai daí, lembrou-se de calcular o rácio entre as despesas orçamentadas e os votos obtidos nas Europeias, i.e., o "custo" de cada voto para cada partido. Aqui vai, do voto que "ficou mais barato" para o mais caro:

POUS: 13 cêntimos.
PCTP/MRPP: 27 cêntimos.
PH: 29 cêntimos.
PPM: 1 euro e 16 cêntimos.
CDS-PP: 1 euro e 60 cêntimos.
PS: 1 euro e 61 cêntimos.
BE: 1 euro e 90 cêntimos.
PPD-PSD: 1 euro e 95 cêntimos.
CDU: 3 euros e 16 cêntimos.
MPT: 4 euros e 35 cêntimos.
MMS: 6 euros e 93 cêntimos.
MEP: 7 euros e 51 cêntimos.

O MPT orçamentou inicialmente 1.500.500 euros, o que daria, caso tivessem sido realmente gastos, uns espectaculares 64 euros e 8 cêntimos por votante, mas o orçamento rectificativo foi bem mais baixo. MMS e MEP ainda pagaram um almoço de mini-prato a cada um. Para partidos novos, o voto sai caro.

by Pedro Magalhães

Uma história da X Legislatura, actualizada

Posted September 15th, 2009 at 2:32 pm4 Comments


Zoom 1:


Zoom 2:


by Pedro Magalhães

"Indecisos"

Posted September 15th, 2009 at 11:45 am4 Comments

Na sondagem do CESOP-UCatólica da semana passada, 19% dos inquiridos (234, após ponderação pós-amostral) recusaram a ideia de se irem certamente abster mas disseram não saber em quem tencionam votar no dia 27. Algumas coisas sobre esses "indecisos":

Não sabe se vai votar: 24%
Em princípio vai votar: 30%
De certeza que vai votar: 46%

Homens: 36%
Mulheres: 64%

18-24 anos: 11%
25-34 anos: 24%
35-44 anos: 16%
45-54 anos: 17%
55-64 anos: 15%
65+ anos: 17%

Menos que secundário: 60%
Secundário completo: 26%
Superior: 13%

Não têm simpatia por qualquer partido: 45%
Simpatia pelo PS: 20%
Simpatia pelo PSD: 18%
Simpatia pelo BE: 6%
Simpatia pela CDU/PCP:3%
Simpatia pelo CDS-PP:3%
Ns/Nr: 6%

Sem posição no eixo esquerda-direita: 18%
Posição média no eixo esquerda-direita dos que têm posição: 4,9 numa escala de 0 (esquerda) a 10 (direita)

Avaliação média Louçã: 9,8
Avaliação média Jerónimo: 8,6
Avaliação média Sócrates: 7,7
Avaliação média MFL: 8,4
Avaliação média Portas: 7,8

Tirem as vossas conclusões.

by Pedro Magalhães