offer swiss eta movement rolex replica.

the unique contribution well worth grow to be the conveniences cheap replica uhren.

how many sex doll are many annually?

Pedro Magalhães

Previsões europeias

Tem circulado na blogosfera um estudo de Simon Hix, Michael Marsh e Nick Vivyan onde se prevê a composição do Parlamento Europeu que resultará das eleições de Junho. Há até um site: Predict09.eu.

O que Hix, Marsh e Vivyan fazem é pressupôr que a votação de cada partido é uma função dos resultados desse partido numa sondagem conduzida alguns meses antes da eleição e da votação desse partido nas Europeias anteriores. Para além disso, se esse partido for um partido de governo ou eurocéptico, usa-se também informação sobre os resultados anteriores nas legislativas. E caso seja um partido no governo, toma-se em conta o facto desse partido estar ou não no primeiro ano de mandato.
Quem tiver lido o paper de que falei aqui, percebe que há alguma teoria por detrás disto: 
– partidos de governo são especialmente castigados nas Europeias, a não ser que estejam em “lua de mel”;
– partidos Eurocéticos tendem a dar-se melhor nas Europeias que nas legislativas.
Que tal se têm portado estas previsões? Em 2004, Hix e Marsh previam um PE assim (em percentagem de deputados; entre parêntesis, o desvio da previsão em relação aos resultados reais):
EPP-ED: 38,9% (+2,3%)
PES: 29,6% (+2,3%)
ELDR: 10,0% (-2,0%)
EUL/NGL:5,3% (-0,3%)
G/EFA:5,5% (-0,2%)
UEN:3,8% (+0,1%)
Nada mau. Desta vez, prevêm isto:
Mas atenção: uma boa previsão do PE não é necessariamente uma boa previsão para todas e cada uma das eleições europeias em cada país. Para 2004, por exemplo, Hix e Marsh previam, para Portugal, o seguinte:
Bem, a verdade é que PSD+CDS somaram 33,3% (e não 46,6%), elegendo 9 deputados (e não 12). A previsão subestimou o PS, a CDU e o BE. Por isso, algum cuidado com as previsões aqui, especialmente tendo em conta que quem lhes está a fazer as análises para Portugal detecta, com a previsão de 31% para o PSD, uma quebra de 2,3 pontos, o que só mostra alguma distracção. Como é óbvio, 31% só será uma quebra para o PSD se esquecermos que, em 2004, concorreu coligado com o CDS-PP. O que a previsão para 2009 está a dizer, pelo contrário, é que, se PSD+CDS valiam 33,3% em 2004, agora valeriam 40,8%.
Mas são detalhes. Em geral, o modelo, ao nível máximo de agregação (a distribuição de deputados do PE) parece funcionar muito bem.

2 Comments

  1. Pedro Lomba says:

    Podias escrever uma coluna sobre o livro do Hix, a propósito da escolha do presidente da comissão.

  2. Fez bem o Pedro Lomba em não esperar que o Pedro Magalhães aceitasse a sugestão: a crónica sobre o livro do Hix no Económico saiu bastante boa 🙂

Leave a Comment

You must be logged in to post a comment.