Pedro Magalhães

Falta uma semana

Conhecidos os resultados do tracking de hoje da Católica (41, 34, 9, 7) , eles completam um novo ciclo em que a amostra se renovou e se tornou independente da sondagem cujo trabalho de campo terminou a 22 (a última que incluímos no Popstar). Ontem isso aconteceu com a da Intercampus, e 6ª feira com a da Aximage, isto nas tracking polls. Ficou-se também a conhecer o resultado da Eurosondagem ontem.

Entramos assim na última semana da campanha. Vale a pena comparar com o que ocorreu em eleições passadas. No quadro abaixo, apresenta-se a média simples das últimas sondagens apresentadas por cada empresa até ao fim da penúltima e da última semanas de campanha, e o intervalo entre os piores e melhores resultados (não creio que as médias dêem as melhores estimativas — estas sim — mas apresento-as para fins de comparação). No caso das de 2015, só conhecemos obviamente as primeiras. Arrendondo tudo à unidade no que toca às sondagens.

Penúltima semana

Nesta eleição, e nesta penúltima semana, os intervalos entre os melhores e os piores resultados para PS e para a coligação nas sondagens (5 pontos para a coligação, 3 para o PS) são amplos, mas não inéditos. Em 2005, o intervalo entre o melhor e o pior resultados para o PS foi de 4 pontos, de 5 pontos em 2009 e 4 pontos em 2011. E nessa eleição foi de 3 pontos para o CDS, uma incerteza grande tendo em conta a comparativamente pequena dimensão do partido.

Importa também notar que os resultados das sondagens da última semana trazem por vezes mudanças não irrelevantes. Em 2002, o CDS passou de 5% para 7%, acabando por ter 8.7% na eleição. Em 2011, o PSD passou de 35% para 37%, acabando por ter um resultado de 38.6%. Em direcção contrária, na mesma eleição, o PS passou de 34% para 31%, acabando com um resultado de 28.1%. É curioso que estes três casos, aqueles em que há mudanças mais relevantes nas sondagens da penúltima para a última semana, sejam também casos em que o resultado final acaba por prolongar essa tendência (de subida ou de descida).

  • […] Ainda só conhecemos as últimas sondagens da penúltima semana de campanha. Em 2011, o PSD quase teve 39% na eleição, quase mais 4 pontos do que lhe davam as sondagens nessa …. Mudanças desse calibre, num sentido ou noutro, podem ou ampliar muito a vantagem da coligação […]