Pedro Magalhães

O eleitorado do Bloco e a Europa

O inquérito pós-eleitoral de 2015 permite dizer alguma coisa sobre como os eleitorados dos diferentes partidos olham (ou olhavam nessa altura) para a Europa. De um dos lados da questão, é simples: sabemos quem disse ter votado neste ou naquele partido. Do outro lado é um pouco mais complicado: não tivemos no inquérito uma pergunta sobre se Portugal deveria ou não sair do Euro. Mas temos duas questões relacionadas com o tema:

  • P2 – Até que ponto acha que as seguintes instituições e situações são responsáveis pela situação da economia nos últimos anos? (numa escala que ia de “nada responsáveis” a “extremamente responsáveis”, e incluindo “A União Europeia” e “A pertença ao Euro”.
  • P3 – A propósito da União Europeia, algumas pessoas acham que a unificação da Europa devia ir mais longe. Outras pessoas acham que já foi longe de mais. Qual a sua posição relativamente a este assunto, numa escala de 0 a 10 em que 0 significa que já foi longe de mais e 10 que devia ir mais longe?

Os gráficos abaixo mostram como se posicionaram os diferentes eleitorados perante estas questões (as linhas de erro representam o intervalo de confiança a 95% para cada estimativa):

responsabilidade

Unificação

No toca à atribuição de responsabilidades pela situação da economia, é fácil ver que a principal diferença — e mesmo assim não muito expressiva — é entre os eleitores da PaF e os eleitores dos partidos de esquerda: os primeiros estiveram menos inclinados a “culpar” o Euro ou (especialmente) a União Europeia pela situação da economia do que os segundos. Também é fácil ver que a “União Europeia” como instituição foi mais responsabilizada do que a pertença ao Euro propriamente dita.

Já na atitude “genérica” em relação ao aprofundamento da União, as diferenças entre os eleitorados são reduzidas. O eleitorado da CDU algo mais inclinado para o “já foi longe demais” do que os restantes, mas a diferença não é estatisticamente significativa, dado que todos mostram semelhante ligeira inclinação (abaixo do ponto intermédio da escala).

Em suma: o eleitorado do BE teve muita gente que “culpou” o Euro pela economia? Sim. Mas sem que isso o diferencie de forma nítida do eleitorado, por exemplo, do PS; vendo-o como “menos culpado” do que União Europeia como um todo; e sem distinção clara em relação aos restantes eleitorados no que toca à questão geral sobre se a “unificação” já foi longe demais ou deveria ir mais longe.